Conselhos para criar os seus filhos

Contents
  1. Como criar meninos melhores para o mundo? | Blog Leiturinha
  2. Para criar meninos com base no respeito, na responsabilidade e no afeto
  3. 10 coisas que você pode fazer por seu filho
  4. 1. Converse, desde cedo, sobre respeitar os limites do outro
  5. 2. Ensine sobre a importância de se cuidar
  6. 3. Permita que seu pequeno se expresse
  7. 4. Divida as atividades domésticas igualmente
  8. 5. Explique que ele não precisa ser bom em tudo
  9. 6. Não relacione violência com amor
  10. 7. Cerque-o de boas referências
  11. 8. Ensine que meninos não precisam ser agressivos
  12. 9. Incentive seu filho a demonstrar suas emoções e sentimentos
  13. 10. Converse, converse e converse!
  14. 5 conselhos para criar filhos bem-sucedidos e felizes
  15. Pais felizes = filhos bem-sucedidos e felizes
  16. Os filhos devem se sentir amados e valorizados
  17. A empatia desenvolve filhos bem-sucedidos e felizes
  18. Comunicação positiva constante
  19. Regras e verdadeiras responsabilidades
  20. 9 conselhos para criar filhos confiantes em si mesmos | Familia
  21. 1. Valorize seu ponto de vista
  22. 2. Não as ridicularize
  23. 3. Dê-lhes ferramentas para se expressarem livremente
  24. 4. Não compare
  25. 4. Não classifique
  26. 6. Corrija com amor e ensine a aprender com os erros
  27. 7. Valorize seus esforços
  28. 8. Mostre-lhes seu amor
  29. 9. Nunca lhes diga “O que as pessoas vão pensar se te virem fazendo isso?”
  30. Conselhos preciosos para educar os seus filhos e proporcionar-lhes um futuro mais feliz e seguro
  31. Não receie as ‘grandes expectativas’
  32. Ajude-os a lidar com a frustração
  33. Ensine-os a não temer o fracasso
  34. Faça com que desenvolvam a tenacidade
  35. Promova a inteligência emocional
  36. Passe tempo de qualidade (mesmo pouco)
  37. Lembre-se de que eles são independentes
  38. Deixe de apagar incêndios
  39. Seja eficiente, estável e amigável
  40. 5 conselhos preciosos para educar os filhos do jeito certo
  41. Educar os filhos é estar preparado para tudo
  42. 1. Autoridade
  43. 2. Estar presente
  44. 3. O exemplo fala mais que palavras
  45. 4. Educação x Castigo
  46. 5. Verdade
  47. Como lidar com os palpites da família e amigos sobre os filhos
  48. 7 pessoas que opinam na criação dos seus filhos e como lidar com elas
  49. 1. Avós
  50. 2. Amigos que não tem filhos
  51. 3. Colegas de trabalho
  52. 4. Professores do seu filho
  53. 5. Pais de amigos da escola
  54. 6. Parentes
  55. 7. Pessoas na rua

Como criar meninos melhores para o mundo? | Blog Leiturinha

Conselhos para criar os seus filhos

Ser mãe e pai é se perguntar, constantemente, se está criando seus filhos da melhor maneira, se está fazendo tudo certo ou se está se esforçando o suficiente. Isso porque nós, adultos, desejamos preparar bem as crianças para a vida e criar meninos ou meninas melhores para o mundo.

Nesse sentido, é muito importante que os pais estejam atentos sobre quais valores e referências estão passando para seus filhos, pois nos primeiros anos, os pequenos absorvem tudo a sua volta, tomando suas vivências como referência na sua construção de mundo e ideias sobre a sociedade, as relações e sobre si mesmos.

Logo, uma educação baseada no respeito, na empatia e no fortalecimento dos vínculos é fundamental para que as crianças explorem todo o seu potencial e se tornem pessoas melhores. No entanto, sabemos que há notáveis diferenças entre ser homem e ser mulher na sociedade em que vivemos.

Por isso, além da preocupação natural com a criação dos filhos, também é importante refletir sobre as melhores formas de criar meninas que se tornem mulheres mais seguras e independentes e, por outro lado, como criar meninos que se tornem homens mais participativos, responsáveis, sensíveis e respeitosos.

Afinal, nós não precisamos apenas de um mundo melhor, mas também de pessoas melhores para o mundo.

Para criar meninos com base no respeito, na responsabilidade e no afeto

Se tornar responsável por um filho é se questionar o tempo todo, desconstruindo, muitas vezes, conceitos e modelos de criação a qual nós mesmos tivemos quando crianças.

É importante entender que o tempo passa e que, com ele, surge a necessidade de repensarmos nossos valores para que possamos educar crianças que contribuam para um mundo cada vez melhor.

Dentro desse contexto, podemos pensar em como criar meninos que entendam a importância do respeito, da responsabilidade e do afeto, pois, às vezes, sem querer, reproduzimos frases e ideias que reforçam o estereótipo de uma masculinidade que é agressiva e prejudicial, tanto às meninas, quanto aos próprios meninos.

10 coisas que você pode fazer por seu filho

Pensando nisso, elencamos algumas atitudes que farão a diferença para que seu pequeno se torne um homem que expresse seus sentimentos e emoções, participe das atividades da casa e da criação dos filhos e, consequentemente, seja mais feliz!

1. Converse, desde cedo, sobre respeitar os limites do outro

Entender e respeitar o espaço do outro é algo que deve ser aprendido desde cedo. É importante que o pequeno compreenda os limites que existem entre o seu corpo e o seu espaço e o corpo e o espaço do outro.

Seja em uma brincadeira ou, mais tarde, em um relacionamento, os meninos precisam saber ouvir e respeitar o “não”.

Portanto, converse sempre com ele sobre responsabilidade na relação, cuidado com o outro e o respeito acima de tudo.

2. Ensine sobre a importância de se cuidar

Comumente, os homens cuidam menos da saúde do que as mulheres. Talvez pela ideia de que são mais fortes e resistentes, eles sintam menos necessidade de cuidar do próprio corpo e ir ao médico, por exemplo.

Portanto, ensine seu pequeno, desde cedo, sobre a importância do autocuidado, de se alimentar bem, praticar atividades físicas e cuidar da própria saúde.

Ouvir e cuidar do corpo é fundamental para uma vida mais equilibrada e feliz!

3. Permita que seu pequeno se expresse

Brincadeiras e aprendizado não precisam ser divididos entre coisas de meninos e coisas de meninas. As crianças são puras e livres de julgamentos e preconceitos e é fundamental que nós, adultos, não as limitemos.

Permita que seu pequeno tenha a oportunidade de explorar o mundo e descobrir suas potencialidades tanto na profissão, quanto nas diferentes maneiras que ele pode contribuir para a sociedade. Acima de tudo, respeite-o e incentive-o a dar sempre o seu melhor, seja qual for a sua escolha.

Isso vai possibilitar que ele chegue mais próximo dele mesmo, explorando todo o seu potencial.

4. Divida as atividades domésticas igualmente

Participar e colaborar com as tarefas domésticas, não só é algo positivo para o desenvolvimento da responsabilidade e autonomia dos pequenos, como também é obrigação de todos que vivem na casa.

Por esse motivo, é muito importante que as atividades do dia a dia sejam divididas entre todos da família, considerando a idade das crianças, mas nunca o sexo.

Meninos e meninas utilizam e sujam a casa na mesma medida e, portanto, ambos devem colaborar para um lar mais organizado e confortável para todos.

5. Explique que ele não precisa ser bom em tudo

Errar, não saber ou fracassar são coisas normais na vida e que, hora ou outra, vão acontecer.

Entender que isso é uma oportunidade de aprendizado e que nem sempre ele vai ser o melhor em tudo, é fundamental para que ele não se cobre tanto para atingir um ideal que, às vezes, não corresponde à sua realidade.

Então, evite educá-lo para ser competitivo o tempo todo, mostrando a importância de dar o seu melhor, mas ensinando que sempre é possível ajudar, ser ajudado, aprender e ensinar!

6. Não relacione violência com amor

Ao dizer que quando um menino belisca ou puxa o cabelo de uma menina é porque está apaixonado por ela, naturaliza-se que amor pressupõe violência. Portanto, é importante conversar sobre o cuidado, o respeito, a honestidade e o afeto entre as pessoas, mostrando que o amor deve ser algo positivo e demonstrado de maneira carinhosa e respeitosa.

7. Cerque-o de boas referências

É importante cuidar para que seu filho tenha referências boas, saudáveis e respeitosas de família e masculinidade por perto. Irmão, primos mais velhos, tios, professores, amigos e, principalmente, o pai, são papéis em que o pequeno vai se espelhar. Nesse sentido, a participação efetiva do pai é muito importante para que a criança tenha uma referência positiva para a vida adulta.

  • Conheça 3 histórias emocionantes de pais que vão inspirar você

8. Ensine que meninos não precisam ser agressivos

Em muitos momentos, a masculinidade pode estar relacionada com a agressividade e o territorialismo e é muito importante desconstruir essa ideia. Ser homem não precisa estar relacionado com controle, força e poder. Pelo contrário, ensine ao seu filho que não é preciso bater, ameaçar ou gritar para conseguir as coisas ou ser escutado.

9. Incentive seu filho a demonstrar suas emoções e sentimentos

Quando sentimos medo, dor, constrangimento ou saudades, é normal (e necessário) colocar esse sentimento para fora.

Chorar não faz de nenhum de nós menos corajosos e fortes, e é muito importante que o seu pequeno entenda, desde cedo, que ele pode demonstrar suas emoções, sem que isso o torne “menos homem”.

Dizer coisas como “homem não chora”, pode contribuir para que o pequeno reprima e esconda seus sentimentos e isso pode impactar em sua vida e suas relações.

10. Converse, converse e converse!

Enfim, converse, escute, discuta e reflita a todo momento junto com seu pequeno.

Juntos, vocês podem dialogar e compartilhar ideias e opiniões sobre as melhores formas de agir, sempre com respeito e empatia.

Afinal, um mundo melhor começa por nós e criar pequenos que se tornarão homens gentis, responsáveis, seguros, participativos e felizes é muito importante para o mundo que queremos para nossos filhos!

Источник: https://leiturinha.com.br/blog/10-licoes-para-criar-meninos-melhores-para-o-mundo/

5 conselhos para criar filhos bem-sucedidos e felizes

Conselhos para criar os seus filhos

Criar filhos bem-sucedidos e felizes está ligado ao bem-estar deles. Criar seu filho de forma a garantir alcançar esse sucesso e felicidade não é na verdade fácil. Exige-se paciência, perseverança, dedicação e a confiança de que todos os seus esforços valerão a pena quando finalmente você vir seus filhos agirem com todo o potencial que eles têm.

Pais felizes = filhos bem-sucedidos e felizes

Uma das melhores coisas que você pode fazer para motivar seus filhos a se tornarem bem-sucedidos e felizes é eles buscarem a própria felicidade. Embora não tenhamos a capacidade de controlar a felicidade de nossos filhos por toda a vida, somos responsáveis pela nossa.

As crianças absorvem tudo de nós, nossos estados de espírito, estresse, etc… É mais provável que os pais felizes tenham filhos felizes, que os pais que sejam deprimidos e estressados. Como pai, sem dúvida, você enfrentará muitas situações estressantes em sua vida. No entanto,  não deve permitir que seu filho sofra e veja as consequências disso.

Busque sempre dar o melhor de si, mesmo que isso seja em benefício dos seus filhos. O bom exemplo que você dá aos seus filhos poderá ser gratificante mais adiante. Criar um filho que seja capaz de sair e fazer as coisas por conta própria, de forma independente é a verdadeira definição de sucesso.

Os filhos devem se sentir amados e valorizados

Tenha paciência, seja atento, tenha uma atitude calorosa e dê muitos, muitos abraços. Apreciar a particularidade de seu filho e lhe dar amor, lhe traz segurança. Um filho que se sente amado e valorizado é um filho que se sente compreendido, reconhecido e respeitado.

Isso cria um filho ligado que será capaz de facilmente estabelecer relações com os colegas e as demais pessoas. Essas relações são as ligações sociais que dão base para um bem-estar emocional saudável.

A empatia desenvolve filhos bem-sucedidos e felizes

A empatia é o centro de tudo o que torna uma sociedade civilizada, mas, acima de tudo, torna nossos filhos pessoas melhores.

A empatia é a qualidade que pode ser ensinada, na verdade, é uma qualidade que deve ser ensinada pelos pais, família e professores. É um dom que as crianças podem cultivar e aprimorar com o tempo.

A capacidade de sentir empatia ajuda a experimentar a verdadeira felicidade, a satisfação na relação, e a capacidade de se recuperar em meio a adversidade.

Promova a bondade, os comportamentos sociáveis e o valor moral, e seja um antídoto eficaz contra a intimidação, a agressão, os preconceitos e o racismo. Se você cria um filho que cuida dos demais e se preocupa com eles memos, não existirá recompensa melhor: você terá criado um ser humano bom.

Comunicação positiva constante

A maneira com que você fala com seus filhos é o fator mais importante na formação da personalidade dos seus filhos e na confiança em si mesmos. A base para a confiança em si próprio é a autoestima. A autoestima é definida como o quanto você gosta de si mesmo e se respeita.

Assim, se você quiser ter filhos bem-sucedidos e felizes, estabeleça uma comunicação positiva constante com eles. Nunca critique seus filhos nem os culpe, ou reclame deles. Pelo contrário, diga-lhes o quão maravilhosos que são e converse com eles de forma construtiva.

Quando essas atitudes vêm das pessoas mais importantes na vida dos filhos, está sendo estabelecida a base psicológica da autoestima que os levará a terem confiança em si mesmos, algo que precisam para crescerem bem-sucedidos e felizes.

Regras e verdadeiras responsabilidades

A felicidade depende, em grande medida, da sensação de que o que fazemos importa e é valorizado pelos demais. Em outras palavras, as pessoas têm a necessidade inata de serem importantes. Dessa forma, quanto mais você transmitir ao seu filho que ele está contribuindo de maneira única à família desde cedo, melhor será a autoestima e a felicidade final dele.

Você pode lhe atribuir um papel de forma a destacar os pontos fortes do seu filho. Por exemplo, se seu filho gosta de arrumar as coisas, dê-lhe a responsabilidade de organizar e arrumar a mesa. Se você perceber que ele gosta, talvez o papel dele poderia ser o de divertir seu irmão mais novo enquanto põe a mesa.

Para ter filhos felizes e seguros de si mesmos certifique-se de que eles tenham regras a seguir. Os filhos querem e precisam de regras. Como pai, você precisa estabelecer comunicação, disciplina e obediência sem chegar ao ponto de você se tornar um ditador.

Источник: https://soumamae.com.br/5-conselhos-criar-filhos-bem-sucedidos-felizes/

9 conselhos para criar filhos confiantes em si mesmos | Familia

Conselhos para criar os seus filhos

Que atitudes devemos desenvolver para que nossos filhos cresçam felizes e confiantes em si mesmos? Permita-me dar-lhe algumas sugestões.

Algum tempo atrás, presenciei algo que me trouxe muita tristeza. Na escola em que trabalhava como professora substituta havia um menino muito indisciplinado. Durante os intervalos, o pequeno, de aproximadamente dez anos de idade, passava batendo nas outras crianças. Nas aulas, não parava quieto e não havia maneira de fazê-lo trabalhar.

Ao perguntar a uma de minhas colegas por que ele agia assim, ela me respondeu: “É que a mãe o trata de tonto, bobo, o tempo todo diz não e que ele não serve para nada. O fato dele não receber carinho em sua casa faz dele uma criança muito insegura que expressa sua raiva e impotência batendo nos outros.”

Quando ouvi suas palavras, senti um aperto no coração e pensei: “Como podem existir pais que tratam seus filhos assim?”. Compreendi que talvez a mãe dessa criança não tivesse sido bem tratada também durante sua infância, e foi assim que ela aprendeu a agir. Eu senti pena dela.

O mais triste foi pensar nesse menino crescendo sem amor, com inseguranças, com a crença de que não servia para nada.

Talvez por sorte, não tenhamos chegado a esse ponto, mas é conveniente que revisemos nossas condutas, sentimentos e emoções ou crenças negativas que carregamos desde a infância. Quanto mais analíticos formos, mais poderemos compreender nossos medos e dificuldades.

Conhecer a nós mesmos profundamente nos ajudará a ser conscientes de que exemplo estamos dando aos nossos filhos e a procurar ferramentas para ajudá-los a ter uma autoestima elevada.

Que atitudes devemos desenvolver para que nossos filhos cresçam felizes e confiantes em si mesmos? Permita-me dar-lhe algumas sugestões:

1. Valorize seu ponto de vista

quando éramos crianças, diziam-nos: “Silêncio! Porque os adultos estão conversando.” As crianças precisam aprender a respeitar, mas é importante também dar-lhes espaço para se expressarem livremente. Isso lhes dará muita confiança.

2. Não as ridicularize

apesar de serem pequenas e terem muito o que aprender, é importante que respeitemos suas emoções, anseios e desejos. Por exemplo, eu conheço o caso de uma adolescente que foi contar aos pais que estava apaixonada. Eles responderam rindo ironicamente: “E o que você sabe sobre o amor?”

3. Dê-lhes ferramentas para se expressarem livremente

a arte é o caminho mais eficaz para que as crianças (e pensando bem, para todo ser humano, é claro) se expressem.

Através da música, da dança ou do desenho, as crianças podem ver sua criação terminada, apreciar seus esforços, expressar suas emoções, e isso não é somente saudável, mas também as ajudará a desenvolver uma elevada autoestima ao ver que cumpriram suas metas. Outra grande ferramenta de expressão é ter um diário onde possam escrever tudo o que acontece com elas.

4. Não compare

se tiver vários filhos, não cometa o erro de compará-los dizendo por exemplo: “Se você fosse como seu irmão…”. Isso só criará grandes complexos e rivalidades, especialmente se há pouca diferença de idade entre eles.

4. Não classifique

quando dizemos: “Joãozinho é terrível, é travesso, etc.” estamos consolidando traços de sua personalidade que logo se desenvolverão. Isso acontece porque a criança acaba acreditando que é daquele jeito e cumpre esse papel.

6. Corrija com amor e ensine a aprender com os erros

ajude seus filhos a ver cada dificuldade da vida como uma oportunidade para aprender, para se superar e melhorar como pessoa. Dê-lhes coragem diante dos erros, dando-lhes confiança de que poderão superar todos os obstáculos.

7. Valorize seus esforços

acompanhá-los em cada uma das etapas de sua aprendizagem é fundamental. Mostre sua alegria diante de seus triunfos. É importante verbalizar essa alegria parabenizando-os e dando-lhes um grande abraço.

8. Mostre-lhes seu amor

muitas vezes, nós, pais, amamos nossos filhos, mas não demonstramos, porque podemos pensar erroneamente que eles sabem. Mas é muito importante expressar amor em todos os nossos relacionamentos. Podemos demonstrá-lo com palavras, um sorriso, escutando atentamente suas necessidades, seus medos, seus desejos, com um abraço, com um “te amo”.

9. Nunca lhes diga “O que as pessoas vão pensar se te virem fazendo isso?”

certamente, todos nós quando crianças ouvimos essas palavras. Ou então também: “Tem gente olhando, comporte-se!”. Isso cria insegurança. Como adultos, devemos ensiná-los a se comportar bem, porque é o correto, e explicar-lhes o porquê. Dessa forma, os pequenos se comportarão bem, mas não por medo de “o que vão dizer”.

É fundamental que, além dos pontos citados acima, esforcemo-nos para demonstrar segurança nas decisões como pais, e nos mostrarmos firmes ao decidirmos sobre sua educação.

Que possam nos ver tranquilos ao enfrentar os problemas, felizes ao dormir e acordar.

Dessa forma, seremos o exemplo para que nossos filhos cresçam com confiança, segurança e autoestima, tornando-se pessoas felizes, que conhecem suas virtudes e defeitos e que são capazes de superar todas as pedras em seu caminho.

Compartilhe essas sugestões, se tiverem sido úteis e, se quiser, você pode nos contar as coisas que você e sua família fazem para transmitir segurança e confiança a seus filhos.

Traduzido e adaptado por Sarah Pierina do original 9 consejos para criar hijos con confianza en sí mismos, de Maia Fernandez.

Toma un momento para compartir …

Que atitudes devemos desenvolver para que nossos filhos cresçam felizes e confiantes em si mesmos? Permita-me dar-lhe algumas sugestões.

Algum tempo atrás, presenciei algo que me trouxe muita tristeza. Na escola em que trabalhava como professora substituta havia um menino muito indisciplinado. Durante os intervalos, o pequeno, de aproximadamente dez anos de idade, passava batendo nas outras crianças. Nas aulas, não parava quieto e não havia maneira de fazê-lo trabalhar.

Ao perguntar a uma de minhas colegas por que ele agia assim, ela me respondeu: “É que a mãe o trata de tonto, bobo, o tempo todo diz não e que ele não serve para nada. O fato dele não receber carinho em sua casa faz dele uma criança muito insegura que expressa sua raiva e impotência batendo nos outros.”

Quando ouvi suas palavras, senti um aperto no coração e pensei: “Como podem existir pais que tratam seus filhos assim?”. Compreendi que talvez a mãe dessa criança não tivesse sido bem tratada também durante sua infância, e foi assim que ela aprendeu a agir. Eu senti pena dela.

O mais triste foi pensar nesse menino crescendo sem amor, com inseguranças, com a crença de que não servia para nada.

Talvez por sorte, não tenhamos chegado a esse ponto, mas é conveniente que revisemos nossas condutas, sentimentos e emoções ou crenças negativas que carregamos desde a infância. Quanto mais analíticos formos, mais poderemos compreender nossos medos e dificuldades.

Conhecer a nós mesmos profundamente nos ajudará a ser conscientes de que exemplo estamos dando aos nossos filhos e a procurar ferramentas para ajudá-los a ter uma autoestima elevada.

Que atitudes devemos desenvolver para que nossos filhos cresçam felizes e confiantes em si mesmos? Permita-me dar-lhe algumas sugestões:

Conselhos preciosos para educar os seus filhos e proporcionar-lhes um futuro mais feliz e seguro

Conselhos para criar os seus filhos

Num estudo realizado no Brown Research Institute, descobriu-se que, quando as crianças fazem tarefas domésticas regularmente desde novas desenvolvem sentimentos de responsabilidade, confiança e ambição.

Os investigadores concordam que estes trabalhos desempenham um papel importante na construção da personalidade das crianças.

No entanto, ficaram surpreendidos ao descobrirem que, nesse estudo, 82% dos pais disseram que eles próprios realizaram tarefas domésticas quando eram jovens, mas apenas 28% pediram aos seus filhos que as desempenhassem.

Não receie as ‘grandes expectativas’

Várias pesquisas apuraram que as crianças cujos pais tinham expectativas de que continuassem com os estudos, chegando à universidade, geralmente fizeram esse caminho – ainda que os pais tenham conduzido e ajudado os filhos a ter sucesso na escola. O truque é estabelecer grandes expectativas a que as crianças consigam corresponder, mas sem exageros, para que elas não se sintam frustradas ou inseguras se não as alcançarem.

Ajude-os a lidar com a frustração

Crianças que recebem tudo o que querem podem ter grandes dificuldades em enfrentar os desafios na escola e na vida adulta.

Para evitar que isso não aconteça, dê aos seus filhos as ferramentas necessárias para lidarem com sentimentos como a raiva ou a frustração e com situações difíceis que são necessárias experimentar para alcançar sucesso.

Se eles aprenderem a sobreviver a pequenos desafios ainda na infância, poderão superar os mais significativos na idade adulta.

Ensine-os a não temer o fracasso

Para a professora e educadora Jessica Lahey, autora do bestseller “The Gift of Failure”, o papel dos pais é gerir e minimizar riscos em vez de eliminá-los por inteiro.

Uma educação bem-sucedida envolve a compreensão de que o fracasso é uma parte do sucesso, e os pais que criam crianças bem-sucedidas ensinam-nas a não temer o fracasso nem sentirem vergonha quando falham.

Muitos pais consideram difícil ver os seus filhos falharem, e alguns até os repreendem, mas o fracasso ajuda as crianças a desenvolver um caráter mais forte e independente

Faça com que desenvolvam a tenacidade

Encorajar as crianças a realizar atividades desafiadoras ou difíceis, e não desistir imediatamente, vai prepará-las para o sucesso em estágios posteriores de suas vidas.

Perseverança e persistência são qualidades que se ensinam desde bem cedo, uma vez que uma criança sem um certo “espírito de luta” terá dificuldade em desenvolver essa característica mais tarde.

Não ajude os seus filhos com uma tarefa que sabe que eles podem fazer por eles mesmos.

Promova a inteligência emocional

As habilidades sociais são decisivas para uma vida feliz. Uma das coisas mais importantes é ensiná-las a cooperar com os amigos, respeitar e compreender os sentimentos dos outros e ajudá-los mesmo que não peçam ajuda.

Passe tempo de qualidade (mesmo pouco)

Ninguém precisa de se sentir culpado por trabalhar o dia todo e não ter muito tempo para os filhos. O que é preciso é que esse pouco tempo seja bem aproveitado. Atividades passivas, como assistir televisão, não acrescentam nada. Converse com os seus filhos, ouça as suas experiências e tente partilhar com eles os momentos importantes do seu dia.

Lembre-se de que eles são independentes

Além do desejo natural de ajudar as crianças a seguir o caminho certo na vida, também é importante manter um certo equilíbrio e ter em contas que os miúdos são pessoas com direitos próprios.

A proteção excessiva pode atrasar o desenvolvimento e impedir que possam pensar por si mesmos, resolver problemas e lidar com dificuldades.

Faça com que se sintam capazes de tomar as suas próprias decisões.

Deixe de apagar incêndios

Muitos pais tratam a educação como uma tarefa de «combate ao fogo» e comportam-se todos os dias de uma maneira que lhes permite tomar controlo de problemas específicos o mais rápido possível. No entanto, encontrar a solução mais rápida não cumpre o objetivo final: criar crianças que sejam adultos felizes e seguros.

Seja eficiente, estável e amigável

Algumas crianças têm dificuldade em comportar-se melhor porque não entendem como fazê-lo.

Isto ocorre porque muitos pais acham difícil educar os seus filhos de forma consistente, punindo-os apenas pelas suas ações negativas em vez de lhes recomendar um comportamento positivo.

Os pais bem-sucedidos são orientados para um objetivo maior – é disso que você se deve lembrar sempre que conversa com o seu filho para lhe transmitir alguma mensagem.

Источник: https://lifestyle.sapo.pt/familia/pais-e-filhos/artigos/conselhos-preciosos-para-educar-os-seus-filhos-e-proporcionar-lhes-um-futuro-mais-feliz-e-seguro

5 conselhos preciosos para educar os filhos do jeito certo

Conselhos para criar os seus filhos

Educar os filhos não é uma tarefa fácil e os pais sabem disso muito bem. São muitas as jornadas, dentro e fora de casa.

Ainda assim eles precisam, na grande maioria das vezes, lidar com situações inesperadas, crises e doenças, escola, alimentação, etc.

Neste artigo, você vai conferir cinco dicas valiosas para criar e educar os seus filhos de uma maneira exemplar. Vamos lá?

Educar os filhos é estar preparado para tudo

Dar conselhos é uma coisa que deve se fazer com muito cuidado, ainda mais sobre criação e educação de filhos. No entanto, aqui sugerimos aqueles conselhos mais importantes que, por experiência das próprias mães, dos pais e de alguns psicólogos, é possível seguir sem maiores problemas.

1. Autoridade

Ter autoridade e demonstrá-la é uma coisa, ser autoritário é outra bem diferente.

Como então, diferenciá-las? Antes de mais nada, é preciso entender que a autoridade requer processos anteriores que envolvem a comunicação clara com os filhos e o tratamento de assuntos de interesse.

 A educação tem muito a ver com compartilhar, tanto a sua visão de mundo quanto o que eles vivenciam no presente.

2. Estar presente

Ter um dia especial com os seus filhos fará de vocês papai e mamãe pessoas muito especiais e inesquecíveis. Os traumas de infância e adolescência geralmente são originados por ausência dos pais e os filhos sabem inconscientemente disso.

O dia a dia com os seus filhos deve ser sempre algo muito prazeroso e enriquecedor para eles. Dentro dos limites, atenda às suas necessidades, sem ceder aos seus domínios de chantagem.

3. O exemplo fala mais que palavras

O aprendizado é um processo complexo que tem muitos fatores. Se você não fizer aquilo que ensina e aconselha, dificilmente algo surtirá efeito na cabeça dos filhos. Por exemplo, se você ensiná-los a ir dormir cedo, não perca tempo em fazer o contrário, pois isso acarretará em consequências.

Mas, por outro lado, se você se permitir ser um modelo dentro de casa, alinhando discurso e ação, nada sairá dos trilhos.

Complemente os seus conhecimentos: – Veja 5 brincadeiras que ajudam no desenvolvimento da criança

– Como incentivar a prática de atividades físicas nas crianças

4. Educação x Castigo

Cuidado! Estabelecer formas de correção devem ser levadas com inteligência mental, não emocional. Os seus filhos podem levá-lo(a) à loucura, mas quem mostra o exemplo da ética e da moral é apenas você. E nesta responsabilidade, assumir as consequências das ações travessas tem que ser compreendida por eles, senão a próxima atitude poderá ser mais rigorosa.

Aqui, a aplicação de alguma ação deve ser feita de forma imediata e muito séria, como uma conversa entre adultos. O bom senso deve sempre reinar nas suas atitudes. As ameaças, chantagens, castigos, compensações são comportamentos que se passam para os filhos e eles, consequentemente, reproduzirão a mesma coisa em fase adulta.

Escolher estas formas de correção pode resolver momentaneamente as situações de conflito, porém, lá na frente tendem a ser cármicas.

5. Verdade

Sim, isso mesmo! A sinceridade e o respeito devem atuar, talvez até mesmo antes do que demonstrar excesso de carinho. A verdade necessita ser dita aos filhos. Manter a honestidade e a cordialidade, ao mesmo tempo, será uma das melhores formas de mostrar ao pequeninos os valores bons da vida.

O que deve ser dito de positivo, que seja feito, e aquilo que for negativo, igualmente, sem humilhações, mas demonstrando confiança mútua.

Portanto, não se esqueça que educar e criar os filhos é algo mais do que apenas fazer a “função de mãe ou pai”. É, antes de tudo, “ser mãe e pai”. Criar com amor não significa deixar fazer o que quiser, tampouco agir com arrogância e autoritarismo, pois mesmo os pais também aprendem a todo instante.

Gostou do conteúdo? Um dos principais pontos a serem observados na educação regular e na criação do seu filho deve ser a alimentação. Uma dieta pobre em nutrientes e uma vida sedentária pode deixar a criança obesa. Leia a matéria que fizemos sobre esse assunto, descubra os perigos da obesidade infantil e saiba como prevenir o problema.

Источник: https://drogariasantoremedio.com.br/educar-os-filhos/

Como lidar com os palpites da família e amigos sobre os filhos

Conselhos para criar os seus filhos

Foto: Getty Images

Toda mulher conhece o peso de um palpite quando se torna mãe. A enxurrada de dicas, sugestões, diagnósticos e avaliações vem de todos os lados, até mesmo de parentes distantes e pessoas desconhecidas.

É possível que esse comportamento seja apenas um reflexo da nossa cultura, que foi concebida em uma sociedade onde a sabedoria popular era passada através das gerações, mas mesmo que o palpite seja praticamente instintivo, encará-lo com naturalidade pode ser complicado em determinadas situações.

A maioria das pessoas tem boas intenções em suas dicas, mas isso não significa que você deva acatá-las. Saber discernir entre os conselhos e responder de forma firme e educada de acordo com cada situação são comportamentos fundamentais para afirmar a sua postura sem perder a classe e até mesmo magoar alguém próximo ou da família.

7 pessoas que opinam na criação dos seus filhos e como lidar com elas

A intimidade através da convivência gera afeto e o afeto gera cuidados. Quando gostamos de alguém queremos o melhor para essa pessoa e desejamos vê-la bem e feliz, por esse motivo muitas vezes compartilhamos experiências e até intervimos em certas condutas.

1. Avós

Foto: Reprodução / Giphy

Os avós são as principais pessoas que opinam na criação dos filhos, o que até certo ponto pode dar segurança aos pais, porém, quando a interferência se torna exagerada pode estressar e trazer a sensação de incapacidade aos pais em relação aos filhos.

Outro risco é o de rompimento de laços familiares simplesmente por não haver concordância entre as opiniões. Nesses momentos, a melhor forma de encarar a situação é salientando que vocês são os pais e que gostariam de tentar outra possibilidade, mas que reavaliarão a dica oferecida em outro momento.

Com os avós a convivência tende a ser mais constante e duradoura, por isso é possível que a “chuva de palpites” nunca termine de fato. Avalie cada palpite como se fosse o único e caso confirme que a dica não serve para o momento, apenas sorria, agradeça e dispense o conselho educadamente. Os laços de família agradecem!

2. Amigos que não tem filhos

Foto: Reprodução / Giphy

Quem nunca ouviu conselhos de pessoas que nem sequer entraram em uma maternidade que atire a primeira pedra. Seja a melhor amiga solteira ou aquela tia de consideração que nunca casou, os palpites podem aparecer em qualquer fase da sua vida.

Muitas vezes esses amigos acham que sabem o que é melhor pra você e seus filhos apenas pelo simples fato de te conhecerem.

Mesmo que exista uma relação de cuidado entre vocês é importante estabelecer limites para que a inconveniência não interfira na amizade e gere atritos futuros.

Explicar o seu ponto de vista como mãe instruindo a conversa para que a pessoa entenda o quanto é necessário muito mais prática do que teoria pode ser suficiente para evitar opiniões indesejadas no futuro.

3. Colegas de trabalho

Foto: Reprodução / Giphy

É normal conversar com os colegas de trabalhos sobre os mais variados assuntos, incluindo família e filhos. E se é normal falar sobre esse assunto, com certeza palpites a respeito é o que não vão faltar.

Mesmo sendo perfeitamente normal se aborrecer com certos comentários por parte de pessoas com quem temos uma relação apenas profissional, é importante lembrar que ela pode apenas estar querendo ser empática, buscando familiaridades.

Aceite os conselhos com um sorriso e diga como prefere fazer à sua maneira. Afinal existem milhares de detalhes sobre a sua família que seria impossível que alguém os conhecesse sem o convívio. Mantenha-se firme na sua postura, mas mantenha o seu trabalho e o bom relacionamento com os seus colegas também.

4. Professores do seu filho

Foto: Reprodução / Giphy

Não importa a série em que o seu filho esteja, seja na creche ou até no ensino médio, vai haver um professor pronto para palpitar sobre a educação do seu filho. A verdade é que, mesmo sendo aconselhável ouvir o tutor de seus pequenos e toda a sua sabedoria pedagógica, o seu filho vai ter comportamentos diversos em casa e na escola.

Ainda que o professor seja o responsável pela educação do seu filho enquanto ele está sob o teto escolar, a avaliação que ele pode ser capaz de fazer deve se restringir à escola, ou seja, ele não deve opinar na forma como você cria sua prole, salvo em alguns casos.

Tenha uma conversa franca com o professor ou mesmo com a direção do colégio caso seja necessário. A escola não deve ser responsável pela formação da personalidade da criança, esse dever (e direito) cabe aos pais.

Portanto, fique atenta e não tenha receio em interceptar qualquer opinião não solicitada.

5. Pais de amigos da escola

Foto: Reprodução / Giphy

Ir buscar as crianças na escola pode ser um exercício de paciência para alguns pais. Não, eu não me refiro ao portão lotado cheio de pais aglomerados como em um leilão da bolsa de valores.

Falo das situações iminentes onde a qualquer momento pode surgir uma “supermãe” ou um “superpai” pronto para lançar o seu melhor conselho mágico, muitas vezes se intrometendo na conversa entre Apesar do rosto não expressar as melhores feições nessas horas, respire fundo. Muitas vezes o sorriso e o silêncio são a melhor combinação.

6. Parentes

Foto: Reprodução / Giphy

Além dos pais, existem tios, tias, primos, primas, cunhados, cunhadas, sobrinhos, padrinhos e mais uma infinidade de pessoas que formam a sua família. Todos eles querem te passar um pouco do que sabem e todos eles querem demonstrar atenção. Logo todos eles vão te dar algum tipo de conselho sobre como criar seus filhos em algum momento da sua vida.

As festas de fim de ano e outras reuniões familiares podem ser o momento perfeito para um “ataque de palpites”, especialmente se os filhos forem pequenos. Opiniões sobre alimentação, hábitos de sono, e atividades pedagógicas são as campeãs dos parentes com que você tem contato esporadicamente.

Assim como no caso dos avós, é importante ter cuidado na hora de escolher a palavras para dispensar o conselho, mas a importância de manter a sua decisão como soberana é a mesma.

Converse sobre a sua visão, mas não se prolongue. A decisão é sua e você não deve mostrar que é algo discutível.

Quem sabe o que é melhor para os filhos são os pais e decisões de qualquer natureza cabem somente a eles.

7. Pessoas na rua

Foto: Reprodução / Giphy

O que fazer quando se está na fila do banco, seu filho chora por estar impaciente e, antes mesmo que se consiga acalmá-lo, a gentil senhora à frente se vira com mil soluções e diagnósticos possíveis? Para muitas mães essa situação hipotética é a pior envolvendo palpites sobre a criação dos filhos. Se não conhecemos as pessoas, tendemos a ficar mais rudes e menos compreensivos, sem medo de magoar. Falar o que pensa nessa hora é quase instantâneo e resposta atravessada pode ser inevitável.

Para evitar esses momentos, a tática do sorriso funciona bem. Rejeitar o conselho com um olhar e respostas curtas pode evitar que a conversa indesejada se prolongue, além de “educar um adulto” em relação à outras mamães.

Ser pai e mãe é complexo e nenhum filho vem com manual de instruções. Ouvir a experiência do outro pode ser importante e de grande valia, mas tudo com limites e dentro do possível.

Criar filhos saudáveis é educa-los com limites e afetividade em proporções exatas. Dessa forma estaremos preparando nossos pequenos para o convívio com o mundo.

Dar limites de forma afetiva (educada e sincera) aos nossos parentes e amigos é uma forma de se colocar adequadamente frente a essa situação.

Dessa forma ensinamos aos nossos filhos de maneira ilustrativa e também reforçamos a hierarquia da família.

Источник: https://www.dicasdemulher.com.br/pessoas-que-nao-deveriam-opinar-na-criacao-dos-seus-filhos/

Embarazo y niños
Deja una respuesta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: