Consumir gorduras durante a gravidez pode afectar o desenvolvimento cognitivo da criança

Ômega 3 deixa crianças mais inteligentes: Descubra 10 alimentos que são ricos!

Consumir gorduras durante a gravidez pode afectar o desenvolvimento cognitivo da criança

A saúde do cérebro humano, principalmente nos primeiros anos de vida, se desenvolve melhor quando segue os mandamentos de uma alimentação saudável e nutritiva.

O que as crianças comem diariamente afetam as suas habilidades cognitivas, aprendizagem, exploração e desenvolvimento do senso criativo, tornando-as mais ou menos propensas a solucionar problemas ou simples questões do dia a dia.

Por isso, para que seu filho tenha aumentada essa capacidade, alguns grupos alimentares são determinantes para essa formação intelectual.

De acordo com a nutricionista Duane Braga, os alimentos ricos em ômega 3, muito encontrado em peixes, por exemplo, auxiliam em todas as funções cognitivas, agindo como um imunomodulador e antioxidante da membrana cerebral, através da grande quantidade de DHA (Acidi docosa hexanoico), ácido graxo encontrado nessa substância. «Crianças em idade escolar, por exemplo, devem sempre manter o ômega 3 no cardápio. Através de uma alimentação que contenha alimentos fonte em DHA, que você encontra em peixes de águas frias, como sardinha, atum, salmão e bacalhau, a criança terá aumentadas suas funções cognitivas, de memória, aprendizado e fala, por exemplo», disse a profissional.

Alimentação para bebês e mamães

Contudo, essa alimentação infantil só deve começar a partir dos dois anos de idade. Segundo Duane, até essa fase, as mães devem nutrir seus filhos apenas com leite materno. Nesse período de amamentação, de acordo com a especialista, os alimentos que a mãe ingere diariamente também são muito importantes para o processo cerebral dos bebês.

«Bebês devem se alimentar essencialmente do leite materno até os 6 meses e apenas após os dois anos que pode passar a incorporar outros alimentos. Para lactentes (bebes em amamentação) é crucial que a mãe se alimente com alimentos adequados, como nozes, chia, linhaça, óleo de soja e canola, atingindo uma quantidade de 1 g por dia do ômega 3.

Assim esse composto ira passar para o bebe através do leite materno», destacou.

10 alimentos para deixar seu filho mais inteligente

Ovos: Ajudam a manter a concentração. Os ovos orgânicos contêm, além de proteínas, nutrientes como colina, ômega-3, zinco e luteína que satisfazem e ajudam a manter o foco durante algumas horas do dia. É interessante prepará-los com grãos ou no pão.

Iogurte: Mantém a comunicação entre os neurônios. A proteína do leite e do iogurte comum fazem bem ao cérebro, mas a gordura do iogurte grego faz um bem melhor ainda, pois contém uma quantidade maior do nutriente.

Ele ajuda a manter a membrana cerebral flexível e facilita a comunicação entre os neurônios, que possuem a função de receber e enviar informações.

Espinafre: Favorece a saúde do cérebro e evita demências futuras. O espinafre atua como antioxidante e possui nutrientes que favorecem o surgimento de novas células cerebrais. Esta função faz com que o cérebro s mantenha saudável e jovem.

Couve-flor roxa: Melhora o humor. A couve-flor roxa possui diversas vitaminas (principalmente a B6) essenciais para o cérebro. Seus nutrientes regulam o humor, favorecem a memória e a atenção.

Peixe: Maior fonte de ômega-3, os peixes, aqueles mais gordos principalmente, oferecem uma boa quantidade de ômega-3, essencial para prevenir a perda de memória e o desenvolvimento cognitivo.

Carne sem gordura: Opte por uma carne mais limpa de gordura durante as refeições para melhorar as funções cerebrais de seu filho. A gordura animal pode prejudicar o bom desempenho do cérebro, tornando-o menos desenvolvido e «preguiçoso»

Nozes e grãos: As nozes, castanhas e grãos, são ricas em proteínas, ácidos graxos essenciais, e vitaminas que melhoram o humor e mantém o sistema nervoso saudável. As crianças conseguem manter a memória indelével quando se sentem felizes.

Aveia: Um estudo comprovou que as crianças que se alimentavam com aveia mantiveram melhor desempenho e memória quando comparadas com crianças que se alimentavam de cerais açucarados e alimentos doces no café da manhã. Elas se mantinham mais focadas e com uma memória melhor. Para potencializar ainda mais seus efeitos sirva a aveia com mel e canela. A canela é uma especiaria que protege as células cerebrais.

Maçãs: As maçãs são bem adocicadas e podem satisfazer o gosto das crianças. Elas também auxiliam na recuperação da energia e protege o sistema cognitivo.

Cúrcuma: A cúrcuma ou açafrão, como é conhecida no Brasil, é uma especiaria que combina bem com quase todo tipo de alimento. Esta raiz favorece o aumento do cérebro e a sua função de armazenar conhecimento. Use-a em carnes, sucos e sopas.

Источник: https://www.conquistesuavida.com.br/noticia/omega-3-deixa-criancas-mais-inteligentes-descubra-10-alimentos-que-sao-ricos_a1320/1

Alimentação na gravidez

Consumir gorduras durante a gravidez pode afectar o desenvolvimento cognitivo da criança

O truque não é comer por dois, é comer melhor. Conheça os nutrientes indispensáveis para fazer um plano alimentar na gravidez, que contribua para o desenvolvimento do seu bebé e uma gravidez mais saudável.

Uma alimentação equilibrada é determinante para o bem-estar de todas as pessoas. Mas, durante a gravidez, este princípio ganha contornos ainda mais importantes, pois pode ter um impacto irreversível na saúde do bebé. O excesso ou falta de algum nutriente pode afetar o desenvolvimento do feto e aumentar a predisposição para doenças crónicas futuras.

Uma das variáveis mais importantes de controlar nesta fase é o aumento de peso, que não deve ser súbito, para não condicionar o crescimento do bebé ou gerar complicações durante e após o parto.

No geral, as recomendações alimentares para as mulheres grávidas não diferem das que se indicam à restante população.

Contudo, a cada etapa da gravidez impõe-se necessidades específicas, às quais é preciso dar atenção. Para este efeito, a grávida pode ser acompanhada por um especialista em nutrição, além do profissional de obstetrícia.

Proteínas na gravidez

As proteínas são essenciais ao longo de toda a gestação. As grávidas devem ingerir, diariamente, fontes proteicas a partir de laticínios (leite, queijo, iogurte), leguminosas (feijão, grão de bico, favas, ervilhas, lentilhas) e, de forma mais moderada, proteína de origem animal (carne, pescado e ovos, sempre cozinhados).

  • Bebidas estimulantes (café, chá, infusões, bebidas energéticas, etc.), acima de 200mg/dia. Um café expresso (1 chávena) tem cerca de 100 – 150 mg cafeína.
  • Carne, pescado e ovos malcozidos.
  • Fruta e hortícolas não higienizados corretamente.
  • Leite e derivados ou laticínios não pasteurizados, para um menor risco de presença de organismos patogénicos.
  • Alguns enchidos e patés, pelo risco de contaminação por Listeria monocytogenes.

Fonte: Direção-Geral da Saúde

Os hidratos de carbono, principal fonte de energia das grávidas, também são muito importantes.

É aconselhado o consumo diário de cereais e derivados (arroz e massa, farinha, pão, flocos de cereais), tubérculos (batata, etc.), leguminosas (feijão, grão de bico, ervilhas, etc.) e de fruta.

A gordura também é um fornecedor de energia, sendo ainda importante para o transporte das vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K), e contribui para o normal desenvolvimento do cérebro e visão.

As grávidas apresentam necessidades aumentadas de ácidos gordos essenciais, como ácido linoleico e ácido alfa-linolénico, que se encontram, por exemplo, no azeite e nos peixes gordos (sardinha, salmão e cavala).

Vitaminas na gravidez

Outro nutriente essencial são as vitaminas. O ácido fólico, por exemplo, reduz o risco de desenvolvimento de malformações.

Recomenda-se o consumo regular de hortícolas de folhas verdes escuro que são ricos nesta vitamina (por exemplo, brócolos, espinafres, couves), bem como cereais e derivados integrais (pão, massas e arroz integrais) e leguminosas, sendo muitas vezes necessários suplementos.

  • Aumento adequado de peso
  • Atividade física regular
  • Alimentação completa e equilibrada
  • Suplementação de vitaminas e minerais
  • Evitar o consumo de álcool e tabaco
  • Manipulação segura dos alimentos

Fonte: Direção-Geral da Saúde

Os minerais são igualmente obrigatórios na dieta das grávidas. O ferro, em combinação com o sódio, potássio e água, ajuda a aumentar o volume sanguíneo e a prevenir a anemia, é importante para o metabolismo energético e para o desenvolvimento do sistema nervoso fetal. A carne, peixe, leguminosas e hortícolas de folhas verde escuro são bons alimentos para suprir as necessidades de ferro.

O cálcio, por sua vez, é importante para os ossos e dentes saudáveis da mãe e do bebé. A dose diária recomendada para a grávida é de 1 000 mg/dia. As melhores fontes são os produtos lácteos e alguns cereais.

O iodo também é importante, já que a sua insuficiência pode comprometer o desenvolvimento cognitivo do bebé. As mulheres em preconcepção, grávidas ou a amamentar devem receber um suplemento diário de iodo sob a forma de iodeto de potássio. De resto, são boas fontes deste mineral os peixes, crustáceos e algas.

Ainda quanto a minerais, o zinco desempenha funções cruciais em diversos processos biológicos do organismo e é necessário para a diferenciação e divisão celular e fortalecimento do sistema imunitário.

A carne, peixe, leguminosas, produtos lácteos e cereais são os alimentos fornecedores de zinco.

Por sua vez, o consumo de magnésio durante a gravidez ajuda a diminuir o risco de pré-eclampsia, de nascimentos prematuros e de atraso no crescimento intrauterino. Miolo de amêndoa, de avela e de amendoim são exemplos de alimentos ricos neste mineral.

Hidratação na Gravidez

Por fim, a hidratação é fulcral numa gravidez saudável. Por norma, a grávida acumula cerca de 6-9 L de água durante a gestação. A ingestão adequada de água durante a gravidez e de alimentos ricos em água é de 3 litros por dia.

Se está grávida, saiba que a sua alimentação vai condicionar a saúde do seu bebé. Siga um plano alimentar rigoroso e equilibrado que garanta o aporte de todos os nutrientes.

Este artigo foi baseado no documento ‘Alimentação e nutrição na gravidez’, elaborado pelo Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável, da Direção-Geral da Saúde.

Autor

À Roda da Alimentação

Источник: https://www.arodadaalimentacao.pt/alimentacao/alimentacao-na-gravidez/

Embarazo y niños
Deja una respuesta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: