É normal ter abortos espontâneos?

Contents
  1. Abortamento espontâneo – Informações, especialistas e perguntas frequentes
  2. Por que um aborto?
  3. Infecções maternas
  4. Doenças crônicas da mãe
  5. Substâncias nocivas
  6. Anormalidades na forma matricial
  7. Incompetência do colo do útero
  8. Déficits nutricionais
  9. Fatores psicossomáticos
  10. Quesintomas ocorrem no aborto?
  11. Ameaça de aborto
  12. Aborto inevitável
  13. Abortamento retido
  14. O que fazer após um aborto?
  15. Aborto espontâneo – sintomas, causas e outras orientações sobre o assunto
  16. O que é aborto espontâneo?
  17. Quais são os sintomas do aborto espontâneo?
  18. Quais são as causas do aborto espontâneo?
  19. São fatores de risco:
  20. São causas do aborto espontâneo:
  21. O que fazer quando acontece um aborto espontâneo?
  22. Aborto espontâneo e infertilidade: qual é a relação?
  23. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  24. As 5 causas mais comuns de aborto espontâneo | Blog Clínica Viventre
  25. O que é aborto espontâneo?
  26. As principais causas de aborto espontâneo e como evitá-las
  27. Anormalidades Cromossômicas
  28. Anormalidades no útero e em outros órgãos reprodutores
  29. Alterações Hormonais
  30. Infecções virais ou bacterianas
  31. Alimentação e estilo de vida desequilibrados também é uma das causas de aborto espontâneo
  32. Aborto espontâneo pode ser causado pelo uso de anticoncepcional?
  33. Abortos espontâneos são mais comum do que você pensa
  34. Quão comuns são os abortos espontâneos?
  35. Uma menstruação atrasada pode ser um aborto espontâneo
  36. Nem todos os óvulos fecundados se transformam em gravidez
  37. Na maioria das vezes, o aborto espontâneo é aleatório
  38. É possível ser fértil mesmo depois de um aborto espontâneo
  39. As emoções podem variar
  40. Conhecer suas opções pode ser de grande ajuda
  41. Baixe hoje o Clue e saiba mais sobre seu ciclo menstrual e fertilidade
  42. Aborto de Repetição: O que é? E como agir? – Dra. Tânia Gewehr
  43. O que é Aborto de Repetição?
  44. Quais são as principais causas do problema?
  45. Trombofilia
  46. Aborto no primeiro trimestre
  47. Anomalias diversas
  48. Má formação Fetal – Causas Genéticas
  49. O que você deve fazer nessa situação?

Abortamento espontâneo – Informações, especialistas e perguntas frequentes

É normal ter abortos espontâneos?

Um aborto é definido como a perda de uma gravidez antes de 22 semanas de gestação (calculado a partir da data do último período menstrual) ou antes de o feto ter até 500 gramas.

A freqüência exata de abortos é difícil de estabelecer. A mulher pode abortar sem saber que estava grávida, pode não ter sintomas de gravidez e interpretar o aborto como uma regra simples mais intensa ou atrasada.

Aproximadamente 15% de todas as gestações 4-20 semanas de gravidez terminam em aborto espontâneo clinicamente reconhecido, mas a verdadeira taxa de perda de gravidez precoce é de cerca de 50%, porque nos primeiros 2-4 semanas após a concepção existe uma alta taxa de abortos espontâneos não reconhecidos, a maioria deles como perdas precoces causadas por anormalidades nos cromossomos do óvulo ou espermatozóide.

Abortos espontâneos a maioria (cerca de 80%) ocorrem nas primeiras 12 semanas de gravidez.

Por que um aborto?

70% dos abortos são causados ??por anormalidades nos cromossomos do embrião. A idade da mãe também está relacionada à freqüência do aborto pois ela aumenta à medida que a idade da mãe avança, uma mulher de 20 anos  tem um risco de  aborto de aproximadamente 12%, enquanto que uma mulher 40 anos o risco é de 26%.

Infecções maternas

Infecções maternas que ocorrem durante o primeiro trimestre da gravidez podem causar aborto. Sabe-se que muitos vírus, tais como rubéola ou citomegalovírus podem causar abortos ou malformações congênitas por infectar o feto em desenvolvimento. Também têm sido implicados outros agentes infecciosos, tais como uma bactéria chamada Listeria ou Toxoplasma.

Doenças crônicas da mãe

Algumas doenças crônicas estão associadas com a perda da gravidez materna: por exemplo, as mulheres com diabetes que tomam insulina estão em risco aumentado de aborto. A taxa de aborto também é maior em mulheres que fumam, em proporção ao número de cigarros fumados.

Substâncias nocivas

Álcool, drogas, radiação, determinados produtos químicos, como as utilizadas na limpeza a seco e gases anestésicos também têm sido associados com o aborto.

Anormalidades na forma matricial

Algumas anomalias na forma de matriz, o chamado útero septado (útero que tem uma parede central que divide a cavidade uterina em duas metades) pode causar abortos tardios e partos prematuros, o que provoca uma distorção da cavidade útero, por um lado, impede o crescimento fetal adequado e, em segundo lugar, ele cria um problema de espaço para o feto em desenvolvimento.

Incompetência do colo do útero

A incompetência do colo do útero, é a fragilidade do colo do útero, a incapacidade de permanecer fechada até o final da gravidez e reter o feto, também pode levar a repetir abortos tardios. Alguns tipos de miomas ou fibromas do útero também podem predispor ao aborto.

Déficits nutricionais

Algumas deficiências nutricionais, como proteína diminuídas no sangue ou falta de vitaminasA, C, E e ácido fólico também têm sido associados com o aborto, embora não haja nenhuma prova absoluta no presente.

Fatores psicossomáticos

O efeito é controverso pode ter fatores psicossomáticos no desenvolvimento da gravidez. Falha ao garantir que as mulheres submetidas a estresse emocional grave são mais propensas ao aborto, mas não se sabe qual o papel que pode a rejeição da gravidez ou outros distúrbios emocionais que têm mulheres no desenvolvimento posterior da gravidez.

Exercício físico e viajar de avião, carro ou trem não estão associados a um aumento da freqüência de aborto.

Quesintomas ocorrem no aborto?

O sintoma mais comum é o sangramento vaginal. Inicialmente, o sangue  pode ser escuro e vai até um sangramento vermelho com coágulos, que podem até mesmo causar perda de consciência das mulheres. Sangramento vaginal ocorre em aproximadamente 20% de todas as mulheres grávidas, das quais metade tem abortos e metade não.

A dor é um sintoma igualmente freqüente. Ela está localizado na parte inferior do abdômen, tipo cólica (ie, que vai e vem), semelhante à dor das contrações menstruação ou do parto.

No entanto, os sintomas serão diferentes dependendo da evolução que terá a gravidez. Assim, distinguem-se:

  • Ameaça de aborto
  • Aborto inevitável
  • O aborto retido.

Ameaça de aborto

Diz-se que uma mulher grávida tem uma ameaça de aborto quando tem sangramento vaginal antes de 22 semanas de gravidez.

Em geral, este sangramento geralmente é pequeno, menor do que uma regra, e não acompanha outros sintomas, exceto  um leve desconforto no abdome inferior ou altura lombar, semelhante à menstruação.

No caso em que as mulheres têm esse tipo de sangramento você deve consultar seu ginecologista.

No exame clínico, o ginecologista irá verificar se o colo do útero está fechado. Mas o teste que vai nos dar informações sobre se a gravidez continua ou não é chamado de ultra-som transvaginal (que é feito com um tubo inserido na vagina): Se você ver um embrião cujo coração bate é um sinal de bom prognóstico. Caso contrário, se o coração não está batendo, o feto está morto.

Enquanto a mulher está sangrando  é recomendado, para ficar em casa para descansar e evitar o trabalho pesado e sexo.

Aborto inevitável

A mulher geralmente tem um sangramento vaginal franco, o que pode causar até mesmo um choque, e que é acompanhado de dor, similar às contrações de trabalho que causam dilatação do colo do útero com a expulsão completa do saco gestacional ou não. Neste caso, a mulher deve ir para a sala de emergência de um hospital.

O ginecologista realiza uma ultra-sonografia transvaginal para verificar se a mulher expulsou todo o saco gestacional. No caso de quaisquer resíduos no útero é necessário curetagem ou raspagem do útero para dispor dos restos mortais desse tipo.

Abortamento retido

Esta é uma situação em que a mulher não tem qualquer sintoma e vai para a consulta para um ultra-som de rotina na gravidez. Neste teste, o médico vê que o embrião não tem atividade cardíaca ou não tem  desenvolvimento (o que é chamado de ovo cego ou gravidez anembriônica).

O que fazer após um aborto?

Em todas as mulheres com sangue Rh negativo, que tiveram um aborto será dada à chamada imunoglobulina anti-D dentro de 72 horas decorridas da perda de seu bebê.

Após sofrer um aborto é normal para uma mulher experimentar tristeza e até mesmo culpa. Essas são reações naturais, por isso é recomendado que as mulheres reiniciem suas atividades diárias normais dentro de alguns dias de ter sofrido este problema. Também quero falar sobre seus sentimentos com seu parceiro e com os amigos ou parentes que tiveram experiências semelhantes.

Para tentar ter um novo filho é aconselhável que a mulher  recupere os ciclos menstruais normais, antes de considerar uma outra gravidez. Em princípio, se é um aborto simples, o risco de ter um aborto em uma futura gravidez não aumenta. Se você tem ingressado com várias abortos de repetição deve consultar seu ginecologista para uma série de testes antes de considerar uma outra gravidez.

Finalmente, lembre-se de continuar a tomar ácido fólico para prevenir defeitos do tubo neural no feto.

Источник: https://www.doctoralia.com.br/doencas/abortamento-espontaneo

Aborto espontâneo – sintomas, causas e outras orientações sobre o assunto

É normal ter abortos espontâneos?

A notícia da gravidez é sempre uma surpresa na vida da mãe e dos familiares. E, muitas das vezes, é encarada de forma positiva por todos quando há um planejamento para aquela gestação.

No entanto, por fatores diversos, pode acontecer da gravidez ser interrompida naturalmente nos primeiros meses, fenômeno conhecido como aborto espontâneo. Mesmo que seja um processo natural, é algo que pode causar frustrações no casal e deixá-lo abalado.

 Para lidar melhor com o ocorrido é preciso entender que isso é algo normal e frequente entre as mulheres. Abaixo, saiba mais sobre essa e outras questões relacionadas ao assunto.

O que é aborto espontâneo?

Segundo diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS), o aborto espontâneo pode ser definido como a interrupção involuntária da gravidez até a 20ª semana de gestação, o que corresponde a um peso fetal em torno de 500 gramas.

Não há números oficiais dessa ocorrência na população feminina brasileira. Mas acredita-se que a cada dez gestações, duas não cheguem até o final.

De acordo com dados divulgados pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), 80% dos abortos espontâneos acontecem até a 12ª semana de gestação.

Ele pode ser caracterizado como precoce ou tardio, quando ocorre antes ou depois da 12ª semana, respectivamente.

Quais são os sintomas do aborto espontâneo?

Os sintomas mais recorrentes são:

  • Sangramento de intensidade variável e/ou expulsão de fluidos pela vagina;
  • Dores também de intensidade variável na região do abdômen, lombar, pélvis e vagina;
  • Contrações uterinas;

É importante ressaltar que nem todos os abortos espontâneos apresentam sinais palpáveis como os que foram citados acima. Muitas das vezes a mulher não sabe que está abortando, principalmente no início da gestação, quando o embrião ainda está se formando.

Quais são as causas do aborto espontâneo?

Nem sempre é possível diagnosticar a causa, principalmente, se o aborto ocorre nas primeiras semanas de gestação, quando ele pode se assemelhar a uma menstruação normal, não exigindo procedimento posterior em um consultório. Ainda assim, existem fatores de risco, associados ao problema, e causas diretas, que podem determinar a interrupção da gravidez.

São fatores de risco:

  • Idade avançada: O risco pode ser de até 40% em mulheres que estão grávidas aos 40 anos e pode chegar a até 80%, aos 45 anos.
  • Histórico de perdas gestacionais anteriores: O risco aumenta consideravelmente quando há duas ou mais perdas.
  • Tabagismo: Mulheres que fumam mais de dez cigarros, diariamente, têm as chances aumentadas de 1,5 a 3 vezes de abortar espontaneamente.
  • Vício em álcool e em drogas ilícitas.
  • Uso de medicamentos, como anti-inflamatórios, caso ingeridos perto do período de concepção.
  • Baixo ou alto peso: Mulheres com o Índice de Massa Corporal (IMC) inferior a 18,5 ou superior a 25 também têm maiores chances de perder o bebê.

São causas do aborto espontâneo:

  • Anomalias genéticas: Responsáveis por metade dos casos, essas alterações ocorrem porque embriões não se desenvolveram corretamente durante a divisão das células para formação dos óvulos e espermatozoides, e, logo, não encontram condições para sobreviver.
  • Condições endócrinas: São aquelas que dizem respeito à produção hormonal fundamental para que a gravidez seja levada adiante. Alterações nos níveis de progesterona e dos hormônios tireoidianos podem ser motivos para o aborto, em especial, o de repetição, quando a mulher já tem histórico de perda de gestação.
  • Deficiências de quaisquer ordens do sistema imunológico e problemas renais também são causas de abortamento de repetição.
  • Tratamento inadequado do diabetes.
  • Infecções: Doenças infecciosas como rubéola, toxoplasmose, parvovirose, citomegalovírus, HIV, sífilis e listeriose favorecem a perda gestacional. 

O que fazer quando acontece um aborto espontâneo?

O exame de ultrassom poderá confirmar a interrupção da gravidez, ao identificar na imagem a falta de batimentos cardíacos e de movimentação do bebê.

Pode ser também que o feto não apareça na ultrassonografia, caso já tenha sido eliminado pelo útero materno.

Em algumas situações, o obstetra avaliará a necessidade de medicamentos ou de curetagem, procedimento cirúrgico que consiste na raspagem do útero, para retirada de pequenos restos placentários.

Afora os cuidados que a mulher deve ter para garantir a sua saúde, em momentos como esse, é importante que ela conte com o apoio da família e de amigos próximos que a ajudem a enfrentar o problema da melhor maneira possível. Conversas com outras mães que vivenciaram a situação e consultas com um psicólogo também devem ser consideradas.

Aborto espontâneo e infertilidade: qual é a relação?

Não há uma relação direta entre esses dois fatores, quando se trata da primeira ocorrência de aborto na mulher. No caso de mulheres que tiveram várias interrupções naturais, é possível que estejam com a fertilidade comprometida. No entanto, todos as situações precisam ser investigadas.

Estudos científicos apontam que se o aborto aconteceu durante as primeiras semanas de gestação e não houve necessidade de fazer curetagem, a mulher pode tentar engravidar novamente já no próximo ciclo menstrual.

Aquelas que foram submetidas a procedimentos cirúrgicos precisam esperar cerca de três meses e seguir todas as recomendações médicas.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de São Paulo – “Aborto espontâneo de repetição e atopia”, 2003.

Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de São Paulo – “Abortamento espontâneo e provocado: Ansiedade, depressão e culpa”, 2009.

Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo – “Fundamentação teórica: Abortamento”.

Escola de Medicina e Saúde Pública Bahiana – “Por que algumas mulheres sofrem aborto espontâneo?”.

Anais do Congresso Brasileiro de Enfermagem Neonatal – “O aborto espontâneo e suas principais causas”, 2012.

Diretrizes Clínicas Holandesas de Medicina de Família e Comunidade – “Aborto espontâneo”, 2004.

Organização Mundial de Saúde – Aborto espontâneo e provocado

Источник: https://www.danonenutricia.com.br/infantil/gravidez/desenvolvimento/aborto-espontaneo-sintomas-causas-e-outras-orientacoes-sobre-o-assunto

As 5 causas mais comuns de aborto espontâneo | Blog Clínica Viventre

É normal ter abortos espontâneos?

A gestação é um período permeado por uma série de sentimentos. Além das boas emoções, ela também é marcada por uma certa dose de preocupação, às vezes, potencializada por informações equivocadas, que trazem insegurança e podem ocasionar problemas na gravidez. No intuito de evitá-los, elencamos, nesse texto, as principais causas de aborto espontâneo

Apesar do aborto espontâneo poder ocorrer por vários motivos médicos, muitos dos quais não estão sob o controle de uma pessoa, conhecer as causas desse evento pode ajudá-lo a entender melhor e obter qualquer suporte ou tratamento necessário.

O que é aborto espontâneo?

A notícia da gravidez é sempre uma surpresa na vida da mãe e dos familiares. E, principalmente quando há um planejamento para tal, tende a ser encarada de forma bastante positiva por todos.

Contudo, em alguns casos, as coisas podem não sair como o planejado, e a gestação pode não ir para frente, sendo interrompida naturalmente nos primeiros meses, fenômeno conhecido como aborto espontâneo.

Um aborto espontâneo é um evento que resulta na perda de um feto antes da vigésima semana de gravidez. Ou seja, é quando a gestação é interrompida naturalmente, pelo próprio organismo da mulher. 

Em 80% dos casos, isso geralmente ocorre no início da gestação, durante o primeiro trimestre. Infelizmente, muitas mulheres experimentam esse tipo de perda de gravidez.

Mas embora seja uma experiência relativamente comum, lidar com um aborto espontâneo é frustrante e dolorido para muitos casais que estão tentando engravidar.

É um momento emocionalmente difícil, no qual sentimentos de tristeza e perda são normais.

As principais causas de aborto espontâneo e como evitá-las

Antes de mais nada, é preciso ressaltar que o aborto espontâneo pode ocorrer na gestação de qualquer mamífero.

Apesar de ser muito triste e até traumático para algumas famílias, é muito importante considerar que essas possibilidades existem e que os abortos não devem trazer o sentimento de “culpa” a ninguém.

Algumas causas de aborto espontâneo, entretanto, podem ser estudadas e eventualmente tratadas, reduzindo assim o risco de recorrência.

Quais podem ser as causas de um aborto espontâneo é uma dúvida bastante frequente. Por isso, a seguir, vamos abordar as cinco mais comuns. Lembre-se: é muito importante consultar um médico especialista e não faltar aos exames de rotina. Vamos à leitura?

Anormalidades Cromossômicas

Responsável por mais de 50% das causas de aborto espontâneo, os problemas nos cromossomos podem acontecer independentemente das condições de saúde da mãe e do pai.

Um embrião com material cromossômico alterado pode apresentar desenvolvimento anormal, parando de se desenvolver espontaneamente. É o mecanismo que a natureza encontra de impedir a evolução de embriões com alterações graves.

É por isso que essas perdas em geral ocorrem já no primeiro trimestre da gestação.  Chamamos esses embriões alterados de embriões aneuplóides.

Como Evitar: caso a mulher tenha sofrido mais de dois abortos espontâneos, o casal deve se submeter a exames genéticos para avaliar possíveis problemas cromossômicos. Dessa forma, fica mais fácil encontrar uma solução para o problema do casal e evitar maiores sofrimentos.

Anormalidades no útero e em outros órgãos reprodutores

Muitas vezes, a causa do aborto espontâneo está associada a anormalidades na anatomia do útero. Caso o formato do útero seja alterado, o embrião pode não conseguir se implantar ou ter dificuldades para conseguir os nutrientes necessários para sobreviver.

Um colo do útero enfraquecido também pode levar ao aborto, pois o embrião cresce e pode não encontrar sustentação para continuar se desenvolvendo no lugar certo. Esse tipo de problema é responsável por até 10% dos abortos espontâneos. Além disso, o aborto espontâneo pode acontecer por causa de miomas.

Como Evitar: A melhor solução é procurar um diagnóstico médico mais preciso. Em alguns casos pode ser necessária uma cirurgia de modificação do útero, bem como a retirada de possíveis pólipos ou miomas que impeçam uma gravidez saudável.

Alterações Hormonais

Os hormônios são essenciais para que a gestação ocorra bem até o nascimento do bebê. O aborto espontâneo por causa de falta de progesterona, por exemplo, é possível. Pode levar a sangramentos no início da gestação e se deve à chamada insuficiência do corpo lúteo (estrutura ovariana responsável pela produção de progesterona no início da gravidez).

Como Evitar: O diagnóstico da falta de progesterona é mais clínico que laboratorial, pois sabe-se que os níveis de progesterona oscilam muito ao longo do dia, não sendo possível diagnosticar seu déficit apenas com dosagens hormonais. Por este motivo, é tão frequente a prescrição de progesterona para mulheres que sangram no começo da gravidez (ainda que, acredita-se, apenas uma pequena parcela delas de fato tenham falta de progesterona).

Infecções virais ou bacterianas

Muitas doenças causadas por vírus ou bactérias aumentam as chances de a mulher sofrer um aborto espontâneo. Por isso, a dica é tomar bastante cuidado com as doenças sexualmente transmissíveis, como clamídia, sífilis, gonococo, entre outras.

Como Evitar: Consultar o ginecologista com frequência e sempre que sentir algum sintoma diferente é a melhor opção para diagnosticar e tratar as infecções. Realizar o tratamento com antibióticos, quando necessário, também costuma solucionar o problema.

Alimentação e estilo de vida desequilibrados também é uma das causas de aborto espontâneo

Essa talvez seja a causa de abortos espontâneos mais sutil. É preciso ter em mente que o corpo será a morada do futuro bebê e que é preciso que o organismo esteja em equilíbrio.

Bebidas alcoólicas e cigarro devem ser evitados, assim como outras drogas e produtos que contenham cafeína em excesso. Manter o peso e prezar por uma rotina de exercícios físicos diários também é uma boa pedida para melhorar as condições gerais de saúde.

Como Evitar: Mantenha uma dieta equilibrada e evite o consumo de bebidas alcoólicas e cigarro. Faça exercícios físicos e mentalize energias boas!

Aborto espontâneo pode ser causado pelo uso de anticoncepcional?

Muitas mulheres que sofrem uma perda de gravidez se perguntam se sua pílula anticoncepcional pode ter causado o aborto.

Apesar de ser uma preocupação comum, continuar tomando a pílula antes ou depois da confirmação da gravidez não abortará o feto.

Isso porque os contraceptivos orais não funcionam dessa maneira: as pílulas geralmente são feitas de estrogênio e progestina, que impedem a gravidez inibindo a ovulação ou causando o espessamento do muco cervical. 

Portanto, se você sofreu um aborto espontâneo e estava tomando contraceptivos orais antes de conceber, essa não era a causa.

Esperamos que com a dose certa de cuidado e informação o casal possa compreender e evitar as principais causas do aborto espontâneo. Assim, conseguirão gerar um bebê saudável e que certamente trará muitas alegrias ao casal e aos familiares.

Источник: https://www.viventre.com.br/causas-aborto-espontaneo/

Abortos espontâneos são mais comum do que você pensa

É normal ter abortos espontâneos?

Este artigo está disponível também em: English

Tradução: Mariana Rezende

Fala-se muito sobre bebês, mas o debate sobre os aspectos menos fofos da saúde reprodutiva é praticamente inexistente. Um desses aspectos, o aborto espontâneo, além de ser o mais negligenciado, é uma parte muito normal do ciclo reprodutivo. Ele acontece com todos os mamíferos que engravidam.

Quão comuns são os abortos espontâneos?

O aborto espontâneo pode acontecer em uma a cada cinco gestações detectadas (1). A taxa de aborto é mais próxima de um a cada três quando se trata de gravidez não detectada (2, 3, 4). Na maioria dos casos, o aborto espontâneo não é causado por ações, comportamento ou mesmo pelo corpo da pessoa grávida.

Apesar disso, ainda há muita confusão, silêncio e desinformação em torno da questão. Figuras públicas como Priscilla Chan falaram sobre o isolamento que sentiram durante suas experiências pessoais de aborto espontâneo. Compreender o que é o aborto espontâneo e por que isso acontece é um passo importante para enfraquecer o estigma que o envolve.

Uma menstruação atrasada pode ser um aborto espontâneo

Um aborto espontâneo é uma gravidez interrompida nas primeiras 20 semanas, embora a maioria aconteça nas primeiras oito semanas (5). O aborto espontâneo pode acontecer até mesmo antes da gravidez ser detectada.

Em pessoas que têm relações sexuais desprotegidas, não é incomum que a causa de um ciclo irregular seja um aborto espontâneo, antes que a pessoa sequer saiba que está grávida (4, 6).

Como o aborto espontâneo pode acontecer na mesma época em que a menstruação é esperada, é possível que ele passe despercebido.

Nem todos os óvulos fecundados se transformam em gravidez

Quando um espermatozoide encontra um óvulo na trompa de Falópio, ele pode ser fecundado.

Se isso acontecer, o óvulo fecundado então cresce e se desenvolve um pouco antes de poder se implantar no útero.

Muitos óvulos fecundados não passam dessa fase, porque não começam a se desenvolver ou não são implantados. Nestes casos, uma pessoa não engravida e o ciclo menstrual continua normalmente.

Na maioria das vezes, o aborto espontâneo é aleatório

Grande parte dos abortos espontâneos acontece pelo mesmo motivo que a maioria dos óvulos fecundados não chega à gravidez: «anomalias cromossômicas». Isso pode acontecer quando há um problema nos genes do óvulo, no espermatozoide ou em ambos.

Esses problemas geralmente são causados por erros aleatórios e normais que acontecem quando as células se dividem e não porque existem algum problema grave nos genes de um dos pais.

O aborto é a maneira como o corpo lida com essas situações após a implantação de um óvulo.

Entre 5 e 7 de cada 10 abortos espontâneos são causados por anormalidades cromossômicas no embrião (7, 8). Em muitos desses casos, um embrião nem sequer começa a se desenvolver.

Um aborto espontâneo também pode ser causado por uma condição médica na pessoa grávida.

Ele pode acontecer por causa de uma condição hormonal, como a síndrome do ovário policístico, um distúrbio da tireoide ou um problema físico no útero, como por exemplo, condições como miomas uterinos ou endometriose (9, 10, 11, 12).

O aborto espontâneo também pode ser causado por problemas como infecções, exposição a certas toxinas ambientais, alto estresse e comportamentos como o consumo de álcool (13, 14).

Depois que uma gravidez precoce é interrompida, o tecido interno do útero, junto com qualquer tecido novo que tenha crescido, geralmente se desprende e é expelido do corpo pela vagina. No momento em que ocorre o sangramento, a gravidez já foi interrompida, o que significa que um aborto espontâneo não pode ser «controlado» pela interrupção do sangramento ou outros sintomas, como as cólicas.

A maioria das pessoas que tiveram um, dois e até três abortos espontâneos inexplicáveis pode ter uma gravidez saudável (15, 16).

É possível ser fértil mesmo depois de um aborto espontâneo

Pode ser que o sangue e o tecido de um aborto espontâneo demorem de algumas horas a semanas para que sejam totalmente expelidos do útero. Se um aborto espontâneo acontecer dentro das primeiras oito semanas de gravidez, geralmente a menstruação leva de 4 a 6 semanas para voltar ao normal (17).

É possível voltar a ser fértil imediatamente após um aborto espontâneo, o que significa que uma pessoa pode engravidar mesmo antes de sua menstruação voltar.

Os médicos geralmente recomendam esperar um ou mais ciclos antes que se volte a tentar engravidar.

As emoções podem variar

Uma a cada duas pessoas poderá experimentar sintomas emocionais consideráveis nas semanas e meses após um aborto espontâneo (18). Ansiedade, tristeza, luto e depressão são sentimentos comuns que podem durar semanas ou meses. Outras pessoas podem sentir alívio, caso não queiram engravidar.

Embora os profissionais de saúde possam ser ótimos para tratar do nosso corpo, eles nem sempre estão preparados para lidar com as nossas emoções de forma mais apropriada… Algumas pessoas precisarão procurar ajuda profissional para lidar com emoções fortes que perduram e se tornam sufocantes.

Reconhecer uma perda dolorosa pode ser uma ferramenta útil na recuperação emocional (19).

Por exemplo, algumas pessoas optam por um enterro dos tecidos curetados e outras preferem dar um tempo das atividades cotidianas para lidar com o sofrimento.

Conhecer suas opções pode ser de grande ajuda

A maioria dos abortos espontâneos não precisa necessariamente de intervenção e pode ser administrada medicamente com um processo chamado «espera vigilante» (20, 21). Algumas pessoas podem optar pela intervenção para ter algum controle sobre a experiência e/ou para que ela acabe mais depressa.

Outras podem receber intervenção porque estão em risco de uma complicação ou porque o aborto espontâneo não foi finalizado por conta própria.

Dependendo do cenário, as intervenções incluem um procedimento de aspiração para remover o conteúdo uterino ou uma pílula para ajudar a eliminá-lo mais rapidamente.

Entre em contato com um profissional de saúde se achar que está tendo um aborto espontâneo. Serão feitas algumas perguntas para garantir que esteja tudo bem. Algumas pessoas podem precisar de um exame de sangue.

Em certos casos, um aborto espontâneo não é finalizado por conta própria e precisam de intervenção.

Se sentir dor aguda, febre ou dor no ombro vá ao médico ou pronto-socorro para descartar complicações como a gravidez ectópica.

O controle dos padrões de sangramento e outros sintomas com o Clue durante e/ou após um aborto espontâneo pode ajudar você a ter um registro de como as coisas estão mudando em seu corpo.

O Clue também pode ajudar a detectar quando algo pode estar errado ou quando um aborto espontâneo pode precisar de tratamento adicional.

Se estiver preocupada com o seu ciclo ou com quaisquer sintomas, fale com um profissional de saúde.

Lembre-se de que você pode garantir que um aborto espontâneo (ou outros ciclos anômalos) não afetem suas previsões no Clue (e suas médias estatísticas) [excluindo quaisquer ciclos irregulares] posteriormente.

A compreensão de como o aborto espontâneo é realmente comum e os motivos pelos quais ele acontece pode nos ajudar a orientar e informar o processo emocional e de tomada de decisões. Quanto mais conseguimos conversar sobre isso, mais fraco se torna o estigma cultural.

Baixe hoje o Clue e saiba mais sobre seu ciclo menstrual e fertilidade

*O Clue preza pela neutralidade de gênero: falamos de menstruação a partir de um esforço inclusivo – leia e saiba mais.

Источник: https://helloclue.com/pt/artigos/fases/aborto-espontaneo-mais-comum-do-que-voce-pensa

Aborto de Repetição: O que é? E como agir? – Dra. Tânia Gewehr

É normal ter abortos espontâneos?

Se você engravidou e perdeu a gestação em duas ou maisocasiões, precisa de mais cuidados. Quando ocorrem 3 abortos consecutivos,damos o nome de Aborto de Repetição ou Aborto Recorrente. Saiba o que você devefazer nestes casos.

Existem vários fatores que podem levar a esse problema e oacompanhamento médico é ainda mais importante, quando você enfrenta estasituação. Nesse artigo, você vai conhecer as principais causas que podem levarà interrupção da gravidez.

Acompanhe esta leitura rápida e fique atenta aoaconselhamento que vamos passar sobre alguns desses fatores, que podem estarrelacionados a algum hábito ou, ainda, a alguma condição especial a qual vocênão possa se submeter.

O que é Aborto de Repetição?

Aborto de Repetição ou aborto recorrente, também chamado deperda gestacional de repetição, é diagnosticado quando a paciente sofre 3 oumais abortos com menos de 20 semanas de gestação. Contudo, uma investigaçãoprecoce pode oferecer vários benefícios.

Sendo assim, não se deve esperar passar por tudo isso para fazer exames e, se necessário, iniciar um tratamento adequado. No primeiro caso de perda gestacional com menos de 20 semanas você pode – e deve – junto ao seu médico, tomar as providências cabíveis para diminuir a probabilidade de ter novas ocorrências.

Importante comentar que mesmo após 3 abortos consecutivos, ainda existe 70% de chance de você ter uma gestação bem-sucedida.

Quais são as principais causas do problema?

Normalmente, as causas do aborto de repetição são as mesmascausas da falha de implantação no tratamento de Fertilização In Vitro (link),que é quando não se consegue sucesso em implantar o embrião fertilizado emlaboratório no útero da paciente.

Leia também:  Saiba quando se deve fazer os exames de ultrassom na gravidez

Há vários fatores que podem causar abortos espontâneos e, emcerca de 20% das ocorrências múltiplas desse problema, mesmo após a realizaçãode todos os exames indicados, a causa permanece não identificada.

Entretanto, no restante dos incidentes, as principais causassão:

Trombofilia

As trombofilias são anormalidades coagulatórias. Então,quando a mulher engravida e os vasos sanguíneos responsáveis por nutrir oembrião sofrem algum tipo de obstrução, o embrião não consegue se desenvolver eocorre um abortamento.

Através de alguns exames é possível identificar a existênciade trombofilias, que pode ser tratada com o uso de medicamentosanticoagulantes, impedindo, assim, que a nova gravidez seja interrompida pelomesmo problema.

Alguns desses exames são:

  • Pesquisa da Mutação da Protrombina;
  • Pesquisa de Mutação do Fator V Leiden;
  • Pesquisa da Mutação do gene PAI-1;
  • Entre outros.

SAAF – Síndrome do Anticorpo Anti Antifosfolípide

Entre as várias doenças incluídas na categoria dastrombofilias, está a SAAF. Também conhecida como Síndrome de Hughes, trata-sede uma patologia crônica na qual o organismo produz um tipo de anticorpos queafetam a coagulação sanguínea.

Aborto no primeiro trimestre

Outra causa comum do aborto de repetição é a ocorrência dasperdas gestacionais no primeiro trimestre. Isso porque este é o momento maisfrágil, por assim dizer, da gravidez. Nesse momento, o bebê está na suaprimeira fase de desenvolvimento e vários cuidados especiais devem ser tomados,como explicamos no artigo sobre o Pré-natal. (link)

Leia também:  Por que o pré-natal é importante para uma gravidez saudável?

Geralmente, no primeiro trimestre, o aborto espontâneoocorre em cerca de 15 a 20% dos casos, para gestações naturais. Esse tipo deaborto pode estar associado a um quadro de abortos recorrentes que, comodissemos, se configura após 3 perdas consecutivas.

Anomalias diversas

Alterações hormonais (endócrinas), imunológicas ouanatômicas podem levar a um aborto espontâneo ou se tornarem um caso de abortorecorrente.

As anomalias anatômicas uterinas podem estar presentes desdeo nascimento ou podem surgir após problemas como miomas extensos, por exemplo.

São consideradas como causas do aborto de repetição, também,as infecções, o fator masculino e hábitos de vida não saudáveis, como osedentarismo, consumo de tabaco, álcool, sobrepeso, má alimentação etc.

Má formação Fetal – Causas Genéticas

60% dos abortos espontâneos são decorrentes de alteraçõesgenéticas no embrião. Quando os embriões não possuem os 46 cromossomos exatoscom os genes necessários para o desenvolvimento normal, sendo este número maiorou menor, o risco de abortamento aumenta muito.

Nestes casos, o fator da idade materna possui grandeimpacto. O risco em mulheres abaixo dos 35 anos é de apenas 10%, enquanto nafaixa de mais de 40 anos ele aumenta para 50%.

Leia também:  Teste de gravidez de farmácia realmente funciona?

Mulheres com idade mais elevada possuem uma necessidadeainda maior de estarem sendo acompanhadas por um ginecologista frequentemente.

O que você deve fazer nessa situação?

Independentemente da causa, quem passa por seguidas perdasgestacionais deve procurar um médico o quanto antes, caso ainda não tenhaacompanhamento. Em uma situação ideal, o correto seria ter acompanhamentoobstétrico antes mesmo de engravidar, marcando uma consulta pré-concepcional.(link)

Porém, sabemos que nem sempre isso é possível. Muitosabortos, principalmente os que ocorrem nas primeiras semanas de gestação, nemmesmo são percebidos pelas mulheres, que podem não saber que estão grávidas.Por isso, você deve estar atenta a qualquer sangramento anormal, este é oprimeiro passo.

Consultas frequentes com o seu ginecologista se mostramainda mais importantes, se você está pensando em engravidar, ou mesmo se apenastem uma vida sexual ativa.

Bons hábitos para uma vida saudável são importantes emqualquer ocasião. Estar dentro do peso e com uma alimentação saudável diminui orisco de um primeiro abortamento ou de uma nova ocorrência.

As consultas pré-concepcionais são muito importantes paraquem está planejando engravidar e, se você já passou por um ou mais casos deaborto espontâneo, não deve esperar por mais ocorrências para fazer os examese, se necessário, começar um tratamento para Aborto de Repetição.

Lembre-se que, mesmo após 3 abortos consecutivos, ainda existe 70% de chance de você ter uma gestação bem-sucedida. Então, se você ainda precisa tirar alguma dúvida ou deseja agendar uma consulta, entre em contato conosco!

Источник: https://taniagewehr.com.br/o-que-e-aborto-de-repeticao-e-como-agir-nessa-situacao/

Embarazo y niños
Deja una respuesta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: