Estou grávida e sangro quando defeco

Los coágulos de sangre y el embarazo

Estou grávida e sangro quando defeco

¿Está embarazada? ¿Tuvo un bebé recientemente? Usted tiene un mayor riesgo de presentar un coágulo de sangre.  La buena noticia, sin embargo, es que los coágulos de sangre se pueden prevenir y tratar si se detectan temprano.

¿Está esperando o acaba de tener un bebé? No deje que un coágulo de sangre le arruine su alegría.

Si bien todas las personas están en riesgo de presentar un coágulo de sangre (al que también se llama tromboembolismo venoso o TEV), el embarazo aumenta ese riesgo cinco veces.  Conozca otros datos interesantes sobre los coágulos de sangre.

¿Por qué las mujeres embarazadas tienen un mayor riesgo de presentar un coágulo de sangre?

Las mujeres están especialmente en riesgo de presentar coágulos de sangre durante el embarazo, el parto y el periodo de tres meses después de haber dado a luz. Esta es la razón:

  • Durante el embarazo, la sangre de la mujer coagula más fácilmente para reducir la pérdida de sangre durante el trabajo de parto y el parto.
  • Las mujeres embarazadas también pueden tener un menor flujo de sangre hacia las piernas en las últimas etapas del embarazo porque los vasos sanguíneos alrededor de la pelvis son presionados por el bebé que está creciendo.

Varios otros factores también podrían aumentar el riesgo de las mujeres embarazadas de presentar un coágulo de sangre:

  • Antecedentes familiares o personales de coágulos de sangre o de un trastorno de la coagulación.
  • Parto por cesárea.
  • Inmovilidad prolongada (no moverse mucho), como ocurre durante el reposo en cama o la recuperación después del parto.
  • Complicaciones del embarazo y parto.
  • Ciertas afecciones de largo plazo, como afecciones cardiacas o pulmonares, o diabetes.

Tome medidas para protegerse a sí misma y a su bebé de los coágulos de sangre durante el embarazo y después del parto

  • Conozca los signos y síntomas de los coágulos de sangre
    • Al coágulo de sangre que ocurre en las piernas o los brazos se lo llama trombosis venosa profunda (TVP). Los signos y síntomas de una TVP incluyen
      • Hinchazón del miembro afectado
      • Dolor o sensibilidad que no son causados por una lesión
  • Piel que se siente caliente al tacto, está enrojecida o descoloridaSi tiene estos signos o síntomas, avísele a su médico lo antes posible.
    • Un coágulo de sangre en las piernas o en los brazos puede desprenderse y trasladarse a los pulmones. A esto se lo llama embolia pulmonar (EP) y puede ser potencialmente mortal.  Los signos y síntomas de una embolia pulmonar incluyen:
      • Dificultad para respirar
      • Dolor en el pecho, que empeora con una inhalación profunda o tos
      • Tos con sangre
  • Latidos del corazón más rápidos de lo normal o irregularesBusque atención médica de inmediato si presenta alguno de estos signos o síntomas.
  • Hable con su proveedor de atención médica sobre los factores que podrían aumentar su riesgo de coágulos de sangre. Menciónele si usted o alguien más de su familia han tenido alguna vez un coágulo de sangre.
  • Siga cuidadosamente las instrucciones de su proveedor de atención médica durante el embarazo y después del parto.
    • En general, si una mujer embarazada está en alto riesgo de presentar un coágulo de sangre o tiene uno durante el embarazo o después del parto, es posible que le receten un medicamento llamado heparina de bajo peso molecular. Este medicamento, inyectado bajo la piel, se usa para prevenir o tratar los coágulos de sangre durante o después del embarazo.  Asegúrese de hablar con su proveedor de atención médica para entender la mejor manera de manejar su caso.

El trabajo de los CDC relativo a los coágulos de sangre y el embarazo

La Alianza Nacional contra los Coágulos Sanguíneos external icon(NBCA), uno de los principales grupos de defensa de TEV en América del Norte, fue financiada a través de un acuerdo de cooperación de cinco años para ayudar a abordar la falta de educación sobre los coágulos de sangre para el público. Los CDC y la NBCA han lanzado nuevo contenido para su campaña digital de educación sobre salud pública llamada Detenga el coágulo, corra la voz®external icon.

Además, Detenga el coágulo, corra la voz® fue uno de los muchos recursos de los CDC reconocidos en el 2017 como una importante herramienta en una colección de recursos educativos sobre el TEV publicada por la Comisión Conjunta. pdf icon[PDF – 3.24 MB]external icon La Comisión acredita y certifica a casi 21 000 organizaciones de atención médica en los Estados Unidos.

El portal web de la campaña les brinda a las personas información vital sobre los coágulos de sangre, incluidos los factores que aumentan el riesgo de presentarlos, así como sus signos, síntomas y prevención.

  El contenido anterior de la campaña está disponible para obtener información general sobre los coágulos de sangre, así como información para las personas que han sido hospitalizadas o dadas de alta recientemente.

Al 2020, la campaña ha producido más de 300 millones de impresos para los medios de comunicación.

No dude en compartir los recursos educativos de la campaña con sus amigos y familiares. El contenido digital de la campaña se provee de un modo que le permitirá compartirlo fácilmente con amigos y familiares, y en sus redes sociales. Puede acceder a estos recursos en el portal web de la campaña.

Источник: https://www.cdc.gov/ncbddd/spanish/dvt/pregnancy.html

Sangre en las heces durante el embarazo: principales causas y qué hacer

Estou grávida e sangro quando defeco

La presencia de sangre en las heces durante el embarazo puede ser causada por situaciones como las hemorroides, que son muy comunes en esta fase, o la fisura anal debido a la sequedad del bolo fecal; sin embargo, también puede indicar alguna situación más grave, como una úlcera gástrica o un pólipo intestinal, por ejemplo. 

En caso de que la mujer observe la presencia de sangre en sus heces, debe acudir al médico para que realice un examen de heces con la finalidad de confirmar su presencia, descubrir la causa e iniciar el tratamiento adecuado. 

Algunas causas comunes de sangre en las heces en esta fase son:

1. Hemorroides

Las hemorroides son comunes durante el embarazo debido al aumento de peso en la región abdominal y pueden agravarse por el estreñimiento, el cual generalmente ocurre durante la gestación.

En la presencia de hemorroides, el principal signo es la existencia de sangre rojo vivo en las heces o en el papel higiénico después de limpiarse, además del dolor en el ano cuando se está de pie o evacuando.

En el caso de hemorroide externa, se puede sentir una pequeña bola suave cerca del ano. 

Qué hacer: Es recomendable observar si los síntomas se mantienen por más de 3 días y, en caso positivo, se indica entrar en contacto con el médico para que pueda ser indicada la realización de examen de heces y evaluación de la región anal para verificar si existen hemorroides externas. Conozca cómo se realiza el tratamiento para las hemorroides en el embarazo. 

2. Fisura anal

La fisura anal también es común que ocurra debido a la disminución del tránsito intestinal, lo que torna las heces más resecas y obliga a la mujer a forzar al momento de evacuar, ocasionando el surgimiento de fisuras que sangran siempre que las heces pasan por esa zona. 

De esta forma, es posible identificar la fisura cuando es observada la presencia de sangre color rojo vivo en las heces, en el papel higiénico después de limpiarse, además de dolor en el ano cuando se está de pie o evacuando. 

Qué hacer: En este caso, lo mejor es tornar las heces más blandas a partir del aumento del consumo de fibras y de agua, además de practicar ejercicios, puesto que también puede ayudar a mejorar el tránsito intestinal. Se indica también evitar hacer fuerza al evacuar y limpiar el ano con paños húmedos o agua y jabón, evitando el papel higiénico. 

3. Pólipo intestinal 

Los pólipos son pequeños pedículos que se desarrollan en el intestino. Normalmente, estos son descubiertos antes de que la mujer quede embarazada, pero cuando no son retirados, pueden causar sangrado cuando las heces secas pasan por el sitio donde se encuentran. 

Qué hacer: En estos casos, es importante consultar al gastroenterólogo y al obstetra para que sea evaluada la necesidad de una colonoscopia y el riesgo que esta conlleva, el cual es un procedimiento usado para el diagnóstico y tratamiento de pólipos intestinales; sin embargo, está contraindicada durante el embarazo. De esta forma, el médico deberá evaluar a la mujer e indicar la opción terapéutica más adecuada. 

4. Úlcera gástrica

La úlcera gástrica puede empeorar durante el embarazo cuando la mujer se encuentra muy irritada o presenta vómitos frecuentes. En este caso, la sangre en las heces puede ser casi imperceptible porque se encuentra parcialmente digerida. De esta manera, las características incluyen heces pegajosas, oscuras y con fuerte mal olor.

Qué hacer: Se recomienda acudir al médico para que sean solicitados exámenes que ayuden a diagnosticar la úlcera y/o para que se indique el tratamiento, el cual normalmente incluye el uso de antiácidos, estrategias para mantener la calma y alimentación pastosa de fácil digestión. 

Pese a que parezca aterrador encontrar sangre en las heces, este es un signo común en el embarazo debido a las alteraciones que ocurren en el cuerpo de la mujer y, generalmente, se deben al estreñimiento o a la presencia de hemorroides, las cuales pueden surgir en la gestación. 

Cuándo debe acudir al médico

Se recomienda buscar ayuda médica si se observa la presencia de:

  • Gran cantidad de sangre en las heces;
  • Fiebre, incluso siendo baja;
  • Diarrea con sangre;
  • Sangrado anal sin haber evacuado;
  • Si se está o se estuvo enferma en los últimos días.

El médico podrá solicitar exámenes para identificar lo que está ocurriendo y, de esta forma, indicar el tratamiento más adecuado para cada necesidad.

Si la mujer prefiere, podrá entrar en contacto con el obstetra que está haciendo el seguimiento del embarazo, indicando sus signos y síntomas; así el profesional tendrá mayor facilidad para determinar lo que está ocurriendo. 

Источник: https://www.tuasaude.com/es/sangre-en-las-heces-durante-el-embarazo/

Sangramentos que podem acontecer durante a gravidez

Estou grávida e sangro quando defeco

Não importa a fase da gestação, basta aparecer um ponto de sangue na calcinha para a futura mãe perder o sono. Preocupação bem-vinda. É urgente mesmo consultar um obstetra diante das complicações que esse sintoma pode sugerir.

Mas nem todo sangramento é motivo de desespero.

Em algumas situações, o sangue é até normal e não representa risco para a gestação e o bebê, como explica o ginecologista e obstetra Alexandre Pupo, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

“No primeiro mês, por exemplo, é normal ter um sangramento leve, comumente confundido com a menstruação pela data em que acontece. Mas isso é apenas a implantação do embrião. Quando ele cola na parede do útero, pode romper algum vaso sanguíneo”, explica Pupo.

Confira abaixo os possíveis motivos de sangramento nas diversas fases da gravidez e saiba quando eles denunciam um problema mais ou menos grave. “Em todos os casos, qualquer sangramento deve ser imediatamente avaliado pelo médico”, enfatiza o ginecologista.

Primeiro mês

Cerca de quatro semanas após a fecundação, ocorre a implantação do embrião na parede do útero. O movimento pode causar rompimento de vasos sanguíneos, gerando um discreto sangramento por cerca de dois ou três dias. “É aquele caso confundido com a menstruação. Mas o fluxo não é intenso. Surgem apenas traços de sangue na calcinha. Nada abundante”, diz Pupo.

Até o terceiro mês

Pode acontecer um sangramento devido ao descolamento do saco gestacional, que está se moldando ao útero. Fique atenta! Um médico deve ser consultado com urgência e o repouso será fundamental para que o saco se fixe novamente, evitando um processo abortivo.

“O sangue é eliminado discretamente, em pequenas quantidades. É escuro, parecido com borra de café, não está associado a cólicas e pode durar vários dias”. No período, também é possível acontecer o sangramento de aborto.

“Bastante intenso, o sangue é bem vermelho, tem presença de coágulos e vem acompanhado de fortes cólicas”, explica Pupo.

A partir do terceiro mês de gravidez

Os sangramentos são menos comuns nessa fase. Depois do quinto mês, eles podem ser o sinal de um problema conhecido como placenta prévia.

Isso acontece quando a placenta, o órgão responsável pela oxigenação e alimentação do feto, se fixa no lugar errado, geralmente perto do colo do útero, e não na parte média, como é o normal. “É algo raro, mas traz complicações para a gravidez.

Por isso, deve ser diagnosticado o quanto antes”, explica o médico Alexandre Pupo. Ele diz que, nessa situação, o sangramento é abundante, de cor vermelho-vivo e não vem acompanhado de cólica.

A partir do sétimo mês

No final da gravidez, o risco é outro tipo de hemorragia: o descolamento prematuro da placenta. “É mais comum após o sétimo mês e em gestantes com pressão alta. Tem como sintomas, além do tom de sangue vermelho-vivo ou escuro, cólicas fortes e contrações persistentes”, afirma Pupo. A situação é grave e deve ser tratada com urgência.

No nono mês

Neste período, acontece o sangramento mais esperado. É o que ocorre durante o trabalho de parto, juntamente com as contrações, quando o útero se rompe. “Nessa hora, a mulher já está acompanhada do médico, que toma todas as providências”, diz Pupo.

Relação sexual e hemorroidas

Dois outros sangramentos são comuns durante a gravidez, mas nada têm a ver com o desenvolvimento do bebê. São eles:

  • Hemorroidas: dificilmente é confundido com aborto, já que ocorre a partir da região anal. “Frequente entre as grávidas devido ao aumento de fluxo sanguíneo na pélvis, tende a se agravar no final da gravidez por causa da compressão sobre as artérias da região. Se a mulher perceber sangue nas fezes ou ao se limpar com o papel higiênico, deve procurar o médico”, aconselha Pupo. O problema também tem como sintoma dor ao evacuar.
  • Sangue durante ou após a relação sexual: esse sintoma está relacionado a três causas principais. Uma delas é a infecção vaginal. “Se a mulher estiver com o problema, o pênis pode machucar a parede da vagina”, explica Pupo. Feridas no colo do útero, de origem hormonal ou decorrente de alguma doença, são outro fator de sangramento. E o terceiro tem a ver com a intensidade da relação: os movimentos bruscos podem causar traumas na entrada da vagina. A posição de quatro pode ainda provocar uma hemorragia. É que o movimento do pênis costuma causar um acúmulo de gás na vagina, levando, em alguns casos, ao rompimento do seu fundo”, conta Pupo. É importante saber que, nas três situações, o sangramento acontece durante ou imediatamente após a relação. Nunca dias depois do sexo.

Continua após a publicidade

Источник: https://bebe.abril.com.br/gravidez/sangramentos-que-podem-acontecer-durante-a-gravidez/

Sangramento no ânus nem sempre é hemorroida; conheça outras causas

Estou grávida e sangro quando defeco

Não precisa se sentir desconfortável caso você tenha (ou já teve) um sangramento no ânus. Muitas vezes provocado por causa de hemorroidas, o problema é normal, já que aproximadamente 75% das pessoas já enfrentaram ou vão enfrentar essa doença em algum momento da vida.

No entanto, a presença de sangue no papel higiênico ou dores no ânus também são sinais de outras doenças e por isso nunca devem ser ignoradas.

«Por achar que o problema é 'apenas' hemorroidas, muitas pessoas não levam o sintoma a sério e acabam descobrindo tardiamente que estão com algo mais grave, como um tumor maligno no ânus.

Por isso, sangrou, procure um médico o quanto antes», alerta Marcelo Averbach, cirurgião do aparelho digestivo no Hospital Sírio-Libanês.

Hemorroida, fissura ou fístula?

Apesar de serem problemas bem diferentes entre si, a fissura e a fístula são condições muitas vezes confundidos com hemorroidas, por apresentarem sintomas parecidos.

A hemorroida ocorre devido à dilatação de vasos sanguíneos do ânus.

Com o esforço físico excessivo ao evacuar e a passagem das fezes ressecadas e endurecidas, eles podem eventualmente se romper, ocasionando hemorragias e dor local.

Já a fissura é como um corte na borda do ânus e a fístula, uma feridinha entre o canal e a pele externa do ânus. Ela surge, em 90% dos casos, por infecção e inflamação de glândulas dessa região.

«Se a fissura for aguda, pode ter sido provocada por força ao evacuar, relação sexual anal ou mesmo por alergia e ressecamento da pele a algum produto, como papel higiênico.

Quando crônica, seu desenvolvimento é associado a uma contração involuntária da musculatura do ânus e que pode ser bastante dolorosa», explica Camila Cannato, médica e cirurgiã do aparelho digestivo pela Escola Paulista de Medicina da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Essa contração involuntária a que Cannato se refere pode ser desencadeada por estresse, ansiedade, medicamentos que relaxem a musculatura esfincteriana, ou mesmo por uma fissura anal aguda —nesse caso, a contração provocada por ela é uma resposta natural do organismo, que busca diminuir a passagem de fezes pela região anal a fim de minimizar os sintomas de dor e ardência. Como não consegue, o quadro piora e evolui para crônico.

Quanto à fístula, existem várias glândulas que produzem secreção perto da borda do ânus, dentro do canal anal.

«Às vezes, elas entopem e formam um abcesso (tipo um furúnculo), que pode estourar para a pele do lado de fora do ânus, formando um buraquinho que coça, sangra, dói e vaza pus constantemente», explica Alexandre Sakano, gastrocirurgião da BP, a Beneficência Portuguesa, de São Paulo.

O problema pode ocorrer espontaneamente, sem uma causa específica ou estar relacionado a doenças inflamatórias intestinais, como colite ulcerosa, doença de Crohn e diverticulite intestinal.

Como identificar qual é o problema

A diferenciação entre os casos (hemorroida, fissura e fístula) deve ser feita por um médico, que para chegar a um diagnóstico preciso, além de avaliar clinicamente os sintomas, pode solicitar exames de imagens da região anal, como sigmoidoscopia, anuscopia e proctoscopia.

Em geral, para diminuir as chances de surgimento e avanço dessas doenças, os especialistas recomendam medidas que reduzam a constipação e o esforço ao evacuar.

«É importante manter uma dieta rica em líquidos e fibras, o que inclui verduras, legumes e alimentos integrais.

Também é essencial fazer a higienização correta do ânus com água e sabão, em vez de papel higiênico, que não é eficiente», diz Averbach.

A fissura não precisa operar, pois é causada por traumatismo local. Com uma mudança alimentar, aplicação de pomadas, medicações que reduzem a contração involuntária da musculatura do ânus e abstinência sexual, no caso de quem pratica sexo anal, a ferida fecha sozinha.

Diferentemente da fístula, que requer cirurgia. Se for um quadro simples, basta localizá-la, abrir e retirar o tecido comprometido e fechar.

«Porém, há casos mais complicados, que podem envolver a introdução de um cateter para drenar o abcesso e até mais de uma cirurgia», explica Cannato.

No que se refere ao tratamento da doença hemorroidária, esse vai depender da intensidade dos sintomas e do grau de comprometimento da região afetada.

Casos leves podem ser solucionados com uma revisão de hábitos de rotina, mais utilização de pomadas, analgésicos, anti-inflamatórios e remédios que melhorem a circulação sanguínea.

Se não surtir efeito ou se o caso for mais grave, o mais indicado é a cirurgia, sendo a hemorroidectomia, que utiliza bisturis para remover as veias inflamadas —a mais efetiva, porém também a mais dolorida.

Источник: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2019/09/13/sangramento-no-anus-nem-sempre-e-hemorroida-veja-outras-causas-do-problema.htm

SANGRAMENTO NO INÍCIO DA GRAVIDEZ

Estou grávida e sangro quando defeco

Gravidez

Existem muitas causas de sangramento na gravidez, algumas não são de origem vaginal ou uterina, sendo decorrentes de lesões no ânus (fissuras anais, hemorroidas) ou mesmo do trato urinário (infecção urinária).

Mesmo quando o sangramento é vaginal, é importante que se saiba que muitas vezes o sangue é de origem materna e não propriamente do feto em desenvolvimento.

Assim, algumas características do sangramento, os sintomas associados, o exame físico a ultrassonografia vão orientar o médico a um diagnóstico mais preciso.

Atenção: Quando o sangramento for volumoso ou acompanhado de cólica ou dor intensa a gestante deve procurar o hospital de referência imediatamente!

Não deixe de ler também: É GRAVIDEZ OU MENSTRUAÇÃO?.

O que é importante observar em casos de sangramento na gravidez?

Em primeiro lugar a própria gestante pode tentar observar se o sangramento realmente vem da vagina.

Na maioria das vezes, quando a origem é anal, como nos casos de hemorroidas, há dificuldade e dor para evacuar e o sangramento ocorre no momento da evacuação (leia: HEMORROIDAS | Sintomas e tratamento).

Já quando há uma infecção urinária, como na cistite, pode haver dor ou ardência ao urinar e aumento da frequência das micções (leia: INFECÇÃO URINÁRIA | CISTITE | Sintomas e Tratamento).

Algumas lesões externas na vulva (parte externa do órgão genital feminino) também causam sangramento. Essas normalmente estão relacionadas a traumas como relação sexual ou depilação. Na hipótese de sangramento vaginal deve-se observar a quantidade, se pequena ou intensa; a cor, se vermelho-vivo ou mais escuro; se é constante ou intermitente e se há dor ou cólica associada.

Dependendo do tempo de gestação as causas de sangramento serão diferentes. Por isso, elas serão divididas como de primeira ou de segunda metade da gravidez.

Neste texto abordaremos os sangramentos no início da gravidez, para sermos mais exatos, na primeira metade da gestação.

O sangramentos que ocorrem no final da gravidez (na segunda metade) serão abordados em um texto próprio a ser publicado nas próximas semanas.

No primeiro trimestre, 20 a 40% das gestantes apresentam sangramento vaginal. As principais causas são:

1. Decorrentes de abortamento2. Implantação da gestação no útero (a implantação do óvulo fecundado no útero pode causar pequenos sangramentos)3. Gravidez ectópica (fora do útero, como nos casos de gravidez tubária)

4. Patologia do colo uterino, da vagina ou do útero (lesões por trauma, inflamação/infecção, pólipos)

Muitas vezes o médico não consegue determinar a causa do sangramento. O principal objetivo é excluir os diagnósticos que podem ter uma repercussão negativa para a gravidez em curso.

As causas mais comuns são as decorrentes de abortamento, seja ele só uma ameaça ou inevitável. Já a gravidez fora da cavidade uterina, como na trompa, é o diagnóstico mais importante a ser excluído.

Nessa situação, há risco da trompa se romper e causar sangramento intenso, podendo ameaçar a vida da gestante.

De modo geral, quanto mais intensos o sangramento e a cólica, ou a dor abdominal, maior a chance de se tratar de uma dessas causas e mais urgente deve ser a avaliação clínica.

História clínica

Gestantes que já tiveram dois ou mais episódios de abortamento estão em maior risco de outro episódio. Da mesma forma, pacientes que já tiveram uma gravidez ectópica ou que tenham fatores de risco como doença inflamatória pélvica, uso de DIU ao engravidar, ou cirurgia pélvica anterior, têm maior chance de uma nova gravidez fora do útero.

É importante informar ao médico se já foi realizada uma ultrassonografia que tenha demonstrado a gravidez dentro do útero, o que torna o diagnóstico de gestação ectópica pouco provável. Caso não o tenha, a dosagem do Beta-HCG confirmando a gravidez deve ser apresentada.

Exame físico

O exame físico completo é o mais importante na avaliação do sangramento. Primeiramente serão avaliadas a pressão arterial e a frequência cardíaca.

O exame do abdome pode levar o profissional de saúde a pensar em causas até não ginecológicas ou obstétricas para a dor abdominal, como apendicite (leia: DOR NA BARRIGA | DOR ABDOMINAL | Principais causas e APENDICITE | Sintomas e tratamento).

Até 12 semanas de gestação o útero não pode ser palpado pelo abdome e os batimentos cardíacos fetais (bcf) não são avaliados com o sonnar-Doppler. Quando a gestante tem mais de 12 semanas de gestação, o útero for palpável e o bcf percebido, é tranquilizador. Garante que o abortamento não aconteceu e praticamente exclui o diagnóstico de gravidez ectópica.

Em seguida, a vulva e a região anal são examinadas à procura de lesões que possam ser foco de sangramento.

O exame especular irá diagnosticar patologias do colo uterino: lacerações, pólipos, processos inflamatórios/infecciosos (corrimento vaginal), ectopia (fragilidade do colo), verrugas ou tumores.

O toque vaginal irá avaliar o tamanho do útero, se compatível com o tempo de gravidez, avaliará as regiões anexiais procurando sinais de gestação fora do útero e se o colo uterino está aberto ou fechado.

Ultrassonografia

A ultrassonografia transvaginal é o principal método de avaliação de sangramento na gravidez, principalmente quando ela ainda não foi realizada na gravidez atual. Confirma a gravidez dentro do útero, ou fora dele, avalia o número de fetos e a presença dos batimentos cardíacos.

É importante notar que gestações com menos de cinco semanas de evolução não podem ser avaliadas pela ultrassonografia e a melhor forma de se avaliá-las nesta fase é pela dosagem do Beta-HCG (leia: ENTENDA O SEU BETA HCG).

Quando o nível de Beta-HCG é compatível com o tempo de gravidez devemos esperar até 6 ou 7 semanas para realizar a ultrassonografia. Quando menor que o esperado pode significar abortamento ou gravidez ectópica.

Essa dosagem pode ser seriada, quando o nível de Beta-HCG cai trata-se de abortamento, quando sobe de forma lenta sugere a gravidez fora do útero.

Os possíveis diagnósticos do sangramento vaginal, as características clínicas e os achados à ultrassonografia estão resumidos na tabela a seguir:

Lesões da vulva, vagina, colo uterinoSangramento vermelho-vivo (se recente), em pequena/média intensidade, sem dor importante.Visualização da lesão ao exame da vulva ou especular.Não acrescenta ao diagnóstico. Caso não tenha sido realizada pode ser indicada para confirmar o bem-estar fetal.
Implantação do ovo no útero.Sangramento em pequena quantidade, sem cólica ou cólica leve.Sem achados de gravidez (esse sangramento ocorre com 4-5 semanas). Beta-HCG compatível com tempo de gestação.
Sangramento leve a intenso, vermelho-vivo ou escuro se antigo, cólica moderada a intensa.Visualização de sangramento através do colo pelo exame especular. Útero compatível com tempo de gestação, colo fechado.Gestação dentro do útero com embrião e bcf presentes. Pode ter área de descolamento do saco gestacional ou não.
Sangramento leve a intenso, vermelho-vivo ou escuro se antigo, cólica moderada a intensa.Visualização de sangramento ou partes da gravidez através do colo pelo exame especular. Útero menor que o esperado, colo fechado.Gestação dentro do útero inviável: saco gestacional irregular, restos ovulares, embrião sem bcf.
Abortamento em curso (inevitável)Sangramento moderado a intenso, vermelho-vivo cólica moderada a intensa.Visualização de sangramento ou partes da gravidez através do colo pelo exame especular. Útero menor que o esperado, colo aberto.Gestação dentro do útero inviável: saco gestacional irregular, restos ovulares, embrião sem bcf.
Sangramento leve a moderado, escuro, cólica leve ou moderada (podem estar em fase de melhora).Visualização ou não de sangramento através do colo pelo exame especular. Útero menor que o esperado, colo fechado.Sem sinais de gestação, ou imagem sugestiva de sangue no útero.
Sangramento leve a moderado, escuro, cólica/dor moderada a intensa.Visualização ou não de sangramento através do colo pelo exame especular. Útero menor que o esperado, colo fechado. Dor à palpação da região dos ovários, pode ser percebida uma massa.Massa anexial, saco gestacional com ou sem embrião fora do útero. Quando não há sinais de gestação no útero e o tempo de gravidez for > que 5 semanas. Líquido no abdome (sangue).

Tratamento do sangramento na gravidez

O tratamento vai depender da causa do sangramento. Muitas causas não requerem tratamento específico.

Importante: sempre que se suspeite de sangramento por abortamento ou gravidez ectópica as gestantes com tipo sanguíneo Rh negativo devem receber imunoglobulina anti-Rh.

Quando não conseguimos identificar a causa, o sangramento não põe em risco a vida da gestante, o exame clínico é normal e a ultrassonografia confirma o bem-estar da gravidez são realizadas orientações gerais, principalmente de observação do aparecimento de novos sintomas. Esses casos costumam ter uma evolução favorável e o sangramento normalmente para espontaneamente.

Os sangramentos por implantação da gestação no útero e a maior parte das lesões da vulva, vagina ou colo não requerem tratamento, a não ser que o sangramento seja intenso ou a causa seja, por exemplo, um tumor no colo.

No caso de ameaça de abortamento é difícil avaliar a eficácia de algum tipo de tratamento porque quando é vista a gravidez no útero e embrião com bcf a chance de sucesso sem nenhuma medida específica é de 90 a 96% em gestações entre 7 e 11 semanas e maior ainda se com mais tempo. Muito médicos optam por observação clínica.

Os abortamentos em curso ou incompleto podem ser tratados de forma expectante, com medicamentos ou por métodos cirúrgicos. Essa avaliação é individual e a critério do médico junto com a paciente.

O abortamento completo também não demanda ação específica.

Na maioria dos casos, a gravidez ectópica é uma emergência médica, necessitando de cirurgia de urgência. Algumas vezes pode-se optar com tratamento com medicamento ou por
observação clínica.

Este texto foi escrito pela Dra. Fernanda Campos da Silva, ginecologista e obstetra formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Doutora em Ciências Médicas pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e Secretária da Comissão Nacional de Perinatologia da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO).

Источник: https://www.mdsaude.com/gravidez/sangramento-primeiro-trimestre-gravidez/

Embarazo y niños
Deja una respuesta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: