Infecções urinárias nos bebés, saiba o que fazer para evitá-las!

Infecção urinária

Infecções urinárias nos bebés, saiba o que fazer para evitá-las!

A infecção urinária é a infecção que afeta os órgãos do trato urinário. Pode ser dividida em infecções da uretra (uretrite), da bexiga (cistite) ou do rim (pielonefrite). No homem podemos, ainda, englobar as infecções associadas à próstata (prostatite) ou aos testículos (orquite e orqui-epididimite).

A maioria das infecções do trato urinário responde a tratamento simples com antibióticos, hidratação e analgésicos/anti-inflamatórios e podem ser tratadas em casa.

Nalguns casos graves, por exemplo, quando a infecção já está disseminada, é necessário o internamento hospitalar (e eventualmente intervenção cirúrgica) para tratamento e vigilância.

Veja mais informação em tratamento das infeções urinárias.

Algumas doenças do trato urinário podem ser semelhantes a infeções urinárias por originarem queixas parecidas, no entanto, nesses casos, geralmente não se encontra nenhum microorganismo responsável.

Tipos de Infecção urinária

A infecção urinária mais comum é a infecção na bexiga (cistite), sendo também a que mais facilmente é tratada. Normalmente o organismo infecioso ascende do exterior pela uretra e infeta a bexiga.

Em algumas situações a infecção pode propagar-se até ao rim originando a infecção renal (pielonefrite).

A infecção localizada nos rins geralmente necessita de tratamento mais prolongado e maior vigilância dado o seu potencial para se disseminar para o resto do organismo (sépsis).

As infeções localizadas apenas à uretra (uretrite) são provocadas geralmente por agentes transmitidos por via sexual e são mais típicas do sexo masculino (a mulher possui a uretra muito curta e a infecção transmite-se diretamente à bexiga). Geralmente a infecção da uretra caracteriza-se pelo aparecimento de um corrimento (“escorrência”) uretral, límpido ou esbranquiçado (“leitoso”) consoante o tipo de infecção.

Algumas pessoas são afetadas por várias infeções urinárias ao longo da vida: a presença de 2 infeções urinárias em 6 meses ou 3 infeções urinárias num ano é considerado infecção urinária de repetição e deverá ser investigado mais aprofundadamente.

Nalguns casos, o tratamento inicial pode não ser eficaz: o microorganismo pode ser resistente ou o tratamento não ter a duração ideal. Nestas situações é frequente as pessoas melhorarem inicialmente mas recidivarem em pouco tempo.

Infecção urinária – causas

A maioria das infeções urinárias é provocada por bactérias. Em alguns casos, podemos encontrar também infeções por fungos, geralmente em doentes diabéticos ou quando o sistema imunológico (sistema de defesa) está deficitário. As infeções do trato urinário por vírus ou parazitas são raras.

Entre 70 a 80% das infeções urinárias são provocadas por Escherichia coli. Outras bactérias comuns são o Enterococcus, o Proteus e a Klebsiella. Em 10 a 15% dos doentes com sintomas não conseguimos identificar o agente envolvido.

Infecção urinária na mulher

As mulheres apresentam um maior risco de desenvolverem infeções urinárias pelo facto de possuírem uma uretra mais curta e próxima da vagina e do ânus.

Geralmente, a infecção urinária feminina (na mulher) ocorre por contaminação de microorganismos da região vaginal ou peri-anal e associa-se com frequência a condições que alterem o pH da vagina como, por exemplo, a menstruação, utilização de produtos de limpeza vaginais, infeções fúngicas vaginais (candidíase) ou mesmo o envelhecimento (diminui a eficácia dos mecanismos protetores contra as infeções urinárias).

A atividade sexual também constitui um mecanismo frequente para o desenvolvimento de infeções urinárias de repetição: a relação sexual potencia a introdução de bactérias para o interior da vagina (introito vaginal) e a subida destas bactérias pela uretra até a bexiga.

Algumas infeções urinarias, quando não tratadas devidamente, podem transmitir-se aos órgãos ginecológicos (útero, tubas uterinas e ovários) e dificultar posteriormente a capacidade de engravidar.

A infecção urinária na gravidez é relativamente comum e deve ser objeto de tratamento, mesmo que as mulheres não tenham sintomas (denominadas bacteriúrias assintomáticas). As infeções urinárias constituem riscos consideráveis para a saúde da gestante (mãe) e do feto, como tal devem ser avaliadas cuidadosamente.

Infecção urinária no homem

A infecção urinária masculina (no homem) é mais rara e surge, normalmente, quando este não consegue esvaziar totalmente a bexiga (resíduo pós-miccinonal). Esta situação pode acontecer em condições como o aumento benigno da próstata ou em estenoses (apertos) da uretra.

A infecção urinária nos homens pode transmitir-se à próstata (prostatite), epidídimo (epididimite) e testículo (orquite/orquiepididimite), sendo que, nestes casos, o tratamento é mais prolongado que aquele preconizado para as infeções simples da bexiga (cistite).

Dado o maior comprimento da uretra, o homem pode também desenvolver infeções localizadas apenas à uretra (uretrites).

A maior parte das vezes estas infeções são sexualmente transmissíveis, provocadas por microorganismos como Neiseria gonorrhoeae ou Clamydia trachomatis e cursam com corrimento (líquido a sair pelo pénis sem relação com urinar), dor e comichão (prurido).

Nestes casos é importante tratar o próprio e o parceiro sexual simultaneamente (que pode até não demonstrar sintomas) e evitar as relações sexuais desprotegidas enquanto tiver a infecção.

Infecção urinária na criança

A infecção urinária infantil (infecção urinária em crianças) é uma das infeções bacterianas mais comuns nestas idades. A presença de infeções urinárias nesta fase precoce da vida pode ser uma manifestação de malformações do trato urinário ou de defeitos funcionais (bexiga neurogénica, refluxo vesico-ureteral,…) e devem ser estudadas cuidadosamente.

No bebé, como eles ainda não conseguem falar ou expressar o que sentem, temos de equacionar a possibilidade de uma infecção urinária no caso de febre sem causa aparente, dificuldade em se alimentar, perda de peso, mau estar geral, irritabilidade, urina com mau cheiro, etc.

Tal como como nos adultos, as infeções são mais comuns em raparigas do que em rapazes. No entanto, curiosamente, nos primeiros meses de vida, são os rapazes a serem mais afetados por esta doença.

Infecção urinária – sintomas

Os sinais e sintomas de infecção urinária variam consoante o órgão afetado.

Assim, nos casos mais comuns de infeções da bexiga (cistite) as queixas mais frequentes são dor, ardor ou desconforto ao urinar, necessidade de urinar muitas vezes e geralmente em pequenas quantidades, sensação imperiosa para urinar (urgência miccional) presença de urina turva (piúria) e/ou com mau cheiro. Ocasionalmente pode surgir sangue na urina, mais comum nas pessoas que fazem medicamentos para as plaquetas ou para a coagulação do sangue.

As infeções localizadas ao rim costumam ser mais graves e necessitar de tratamento mais prolongado. O doente com infecção do rim costuma apresentar febre, mau estar, náuseas ou vómitos e dor lombar (“dor ao fundo das costas”) do lado do rim afetado. Podem também estar presentes as mesmas queixas descritas para as infeções da bexiga.

As infeções da próstata são menos específicas: é comum surgirem queixas de febre, dor ou ardor a urinar, diminuição do jacto da urina ou mesmo incapacidade para urinar, dor na região entre o escroto e o ânus (dor perineal).

As infeções da uretra costumam causar ardor ao urinar (mais comum no início e ao final da micção) e podem provocar corrimento (escorrência) pela uretra, esbranquiçada, amarelada ou transparente.

A presença de mal-estar geral, dores musculares generalizadas, perda de apetite, náuseas e vómitos pressupõem a existência de uma infecção grave, disseminada pelo corpo e geralmente determinam a necessidade de internamento hospitalar para tratamento.

Os sintomas costumam durar 2 a 3 dias após iniciar o tratamento, sendo mais rápido para as cistites e mais lento para as prostatites e pielonefrites. No caso de febre persistente é necessário uma investigação mais pormenorizada, pois a terapêutica instituída poderá não estar a ser eficaz ou ser necessário outro tipo de tratamento.

Em alguns casos podem não existir sintomas, sendo assim chamadas de infecção urinária assintomática: estes casos são mais comuns nos doentes idosos ou em algaliados há longa data, e na maioria dos casos não necessitam de tratamento. As grávidas são um grupo de exceção, para o qual é recomendado tratar todas as infeções urinárias, mesmo que não originem sintomas.

Nos idosos a infecção urinária pode estar associada a confusão mental.

Infecção urinária é transmissível?

A generalidade das infeções urinárias não são sexualmente transmissíveis. No entanto, a relação sexual propicia o desenvolvimento destas ao fomentar a introdução de bactérias externas no tracto urinário, tanto no homem como na mulher.

Alguns tipos de uretrite são sexualmente transmissíveis, ocorrendo contágio para os diversos parceiros sexuais nas relações sexuais não protegidas, ou seja, a infecção “pega-se” ou “passa de uma pessoa para outra”. Neste caso é importante o tratamento do próprio e do(s) parceiro(s) sexual(ais) que até podem não ter sintomas.

Diagnóstico da infecção urinária

O diagnóstico da infecção urinária é feito pelos sintomas do doente e pelo exame da urina (análises de sumária de urina tipo 2 e cultura da urina). Em alguns casos pode ser necessário realizar um estudo imagiológico complementar para adquirir mais informações como a Ecografia ou a Tomografia computorizada (TC ou TAC).

Se procura um médico urologista em Portugal, selecione o seu concelho.

Complicações da Infecção urinária

A infecção do rim pode causar cicatrizes renais e a longo prazo contribuir para o declínio da função renal.

Saiba, aqui, tudo sobre insuficiência renal.

Em alguns casos graves, quando o tratamento é instituído demasiado tarde ou a infecção é muito grave existe inclusivamente risco de morte.

Infecção urinária tem cura?

A infecção urinária tem cura, desde que seja corretamente diagnosticada e tratada de forma atempada e adequada. Em alguns casos a infecção pode tornar-se crónica quando o tratamento não tem a duração correta ou não consegue eliminar todos os gérmenes. Nestas situações pode ser necessário um segundo tratamento com antibiótico, de maior duração.

Saiba, de seguida, como tratar a infecção urinária.

Infecção urinária – tratamento

A infecção urinária normalmente tem origem em bactérias e o tratamento baseia-se nos antibióticos.

Outros medicamentos que se associam frequentemente aos antibióticos são os anti-inflamatórios (ex. ibuprofeno) ou os analgésicos para aliviar a dor e desconforto

Em relação a tratamento ou remédio caseiro o melhor complemento natural à medicação prescrita pelo médico é a ingestão abundante de água, contribuindo tanto para a cura como para a prevenção (profilaxia).

É importante o doente fazer a medicação da forma como foi prescrita, durante o tempo recomendado pelo médico, sob o risco de falhar o tratamento e a infecção se tornar crónica e mais difícil de debelar.

Não existem alimentos a evitar nas infeções urinárias pois estes não interferem na duração da infecção ou no tratamento.

No entanto, alguns doentes referem que os alimentos ácidos, os picantes ou as bebidas gaseificadas podem agravar as queixas e como tal, para estes doentes, será preferível evitar este tipo de alimentos.

Na infecção urinária persistente ou recorrente é importante, além do tratamento agudo, determinar os factores de risco presentes e corrigir estes de modo o prevenir o reaparecimento da infecção.

A duração do tratamento vai variar com o tipo de infecção e com o tipo de antibiótico indicado: algumas infeções da bexiga ou da uretra (uretrites e cistite) necessitam apenas de uma dose única (fosfomicina) ou até 5 dias de antibiótico (amoxicilina), enquanto que nas infeções do rim ou da próstata pode ser necessário tomar os comprimidos durante duas ou mais semanas.

Nas infeções sexualmente transmitidas deverá ser sempre tratado o casal em conjunto e evitar relações sexuais desprotegidas enquanto não acabar o tratamento.

É previsível que a recuperação ou melhoria clinica surja nos primeiros dias após iniciar o tratamento e, se tal não acontecer, deverá ser reavaliado pelo seu médico.

O doente nunca deve em caso algum automedicar-se, devendo sempre realizar o tratamento de acordo com a prescrição médica.

Como prevenir a infecção urinária?

A ingestão abundante de água demonstrou ser uma mais-valia para a prevenção e para o tratamento das infeções urinárias. Alguns estudos apontam também para a utilidade do arando vermelho e de alguns chás, sendo que, nestes casos, a eficácia é mais controversa.

O tabaco (fumar ou mascar), uma alimentação à base de picantes, o café, as bebidas gaseificadas ou os alimentos ácidos podem, em alguns doentes, contribuir para as queixas, e nesses casos, devem ser evitadas.

Outras medidas recomendadas para a prevenção de infeções urinárias:

  • utilizar sabões neutros para higiene local;
  • limpar após urinar ou após a relação sexual evita o acumulo de bactérias e deve ser realizada sempre da frente para trás;
  • utilizar roupa interior de algodão permite que a pele e as mucosas “respirem” e diminui a concentração local de microorganismos;
  • trocar regularmente e preferir os absorventes externos (pensos higiénicos) em detrimentos dos internos (tampões).

Nos casos em que estas medidas não sejam eficazes o seu médico pode propor-lhe outras opções como:

  • Estimular o sistema imunológico (responsável pela defesa do organismo) ao tomar diariamente um lisado de bactérias (sem capacidade para infectar);
  • Esquemas de antibiótico em doses muito baixas, como por exemplo 1 comprimido após as relações sexuais ou um comprimido diariamente ou até 10 em 10 dias consoante os casos.

Источник: https://www.saudebemestar.pt/pt/clinica/urologia/infeccao-urinaria/

Infecção urinária em criança: veja as causas e tratamentos!

Infecções urinárias nos bebés, saiba o que fazer para evitá-las!

A infecção urinária, também chamada de infecção do trato urinário, pode ocorrer em todas as idades. Os adultos já conhecem alguns sintomas, como dificuldade ou ardor ao urinar, odores fortes na urina e incontinência.

No entanto, com as crianças o diagnóstico pode ser mais difícil, já que as mais novas não conseguem entender os sintomas e ainda necessitam da ajuda ou dependem totalmente dos adultos para manter uma higienização correta.

Além disso, crianças estão mais expostas a doenças. Entenda o porquê e saiba como tratar da infecção urinária nos pequenos!

O que é infecção urinária?

A infecção urinária é uma doença que atinge os órgãos do trato urinário (uretra, rins, ureteres e bexiga).

Eles são responsáveis pela filtragem e eliminação da urina, que pode conter substâncias nocivas ao corpo humano. Quando uma bactéria invade esse sistema, ocorre a infecção.

A Escherichia coli, bactéria encontrada naturalmente na microbiota intestinal, é uma das maiores responsáveis pela ocorrência de infecção no trato urinário.

As infecções que ocorrem na bexiga e na uretra são chamadas de cistite. As que envolvem os rins são chamadas de pielonefrite. 

Quais são os sintomas?

Os sintomas mais comuns das infecções do trato urinário são incontinência urinária, ardor ao urinar e odor forte. Nas crianças, porém, os sintomas podem se apresentar de forma diferente.

Os responsáveis precisam estar atentos a febre sem causa aparente, perda de apetite, vômitos, dor abdominal ou lombar, diarreia ou constipação grave (superior a 5 dias) e irritabilidade.

Quais são as causas? 

As infecções são causadas por microrganismos estranhos àquele órgão ou sistema. Uma bactéria comum ao trato gastrointestinal é extremamente prejudicial aos órgãos do trato urinário, por exemplo.

Estima-se que a doença atinja 2,9% dos bebês recém nascidos prematuros. Até os três meses de vida, os meninos estão até 8 vezes mais suscetíveis a ter infecções urinárias do que as meninas. Isso ocorre porque eles nascem com a cabeça do pênis coberta por uma pele, que pode ajudar na proliferação de microrganismos.

Porém, após esse período, os casos de infecção em meninas passam a ser mais numerosos. Em fase pré-escolar, por exemplo, elas são acometidas entre 10 a 20 vezes mais que meninos. Uma das explicações é o fato de a uretra, em meninas e mulheres, ser mais curta, o que diminui o “caminho” que a bactéria percorre até chegar na bexiga e nos rins.

As crianças podem estar mais expostas à doença em razão da fase de desenvolvimento do trato urinário. Além disso, a necessidade do uso de fraldas deixa os órgãos expostos às fezes e cria um ambiente propício para a proliferação de bactérias.

Já na fase do desfralde, a criança ainda está estabelecendo uma rotina de idas ao banheiro, o que pode fazer com que ela passe muito tempo segurando xixi.

As crianças mais velhas, que já são responsáveis pela própria higiene, devem ser orientadas sobre como limpar-se corretamente após a evacuação: sempre da frente para trás. Essa orientação é essencial para as meninas! Os meninos devem ser ensinados também sobre a importância da higiene peniana adequada.

Como prevenir infecções urinárias em crianças?

Os pequenos necessitam da ajuda dos adultos para prevenir a ocorrência de infecções urinárias. Veja como ajudar:

  • mantenha a higiene adequada para impedir que bactérias, principalmente as do trato intestinal, contaminem os órgãos do trato urinário;
  • em bebês, a responsabilidade está nas mãos dos adultos. Não deixar fralda com cocô por muito tempo diminui o contato do material com a uretra. A limpeza deve ser feita sempre da área genital em direção ao ânus, nunca o contrário;
  • a ingestão de água é essencial para a limpeza dos órgãos e para mantê-los funcionando corretamente. A quantidade varia de acordo com a idade. Até os 6 meses de vida, ou para bebês que consomem leite artificial, a orientação da Sociedade Brasileira de Pediatria é que sejam consumidos 700mL de água por dia.
  • é preciso incentivar que as crianças urinem a cada 3 horas, pelo menos;
  • uma boa dieta também faz parte da prevenção. Promova uma alimentação rica em fibras.

É preciso estimular hábitos saudáveis nas crianças, pois a alimentação equilibrada e a prática de exercícios físicos são essenciais para o bem-estar e saúde não só das crianças como de toda a família.

Como é feito o diagnóstico de infecção urinária?

O pediatra deve solicitar um exame de urina para atestar a presença da bactéria e para identificar o tipo de microrganismo presente. Em alguns casos, o profissional pode solicitar uma punção suprapúbica, que é a coleta feita com uma agulha e com o uso de anestesia local.

Esse tipo de exame pode ser desconfortável, mas é feito para evitar que a amostra seja contaminada por outras bactérias. Exames de imagem do trato urinário também são importantes para o diagnóstico correto.

Como é o tratamento?

Geralmente, o tratamento para infecção urinária é feito com antibióticos específicos para as bactérias encontradas no exame.

Além do antibiótico, o profissional pode receitar um remédio para aliviar a dor.

O tratamento dura, em média, de 5 a 7 dias e a medicação não deve ser interrompida antes do indicado, mesmo quando a criança aparenta já estar bem, pois há risco de a doença voltar.

O tratamento não deve ser adiado, pois as consequências podem ser graves, como a geração de cicatrizes renais. De acordo com estudo, 6% a 13% das crianças com cicatrizes renais terão hipertensão e insuficiência renal crônica.

É importante que os pais não tentem medicar sozinhos os seus filhos, afinal, o tratamento com antibiótico incorreto ou em doses inadequadas pode fortalecer a bactéria e deixar o tratamento ainda mais difícil e doloroso para as crianças. Ao perceber algum sintoma, procure uma emergência pediátrica ou o pediatra de confiança para que ele possa fazer o diagnóstico adequado.

A Partmed Saúde e Medicina é uma rede de clínicas populares com locais de consulta espalhados por todo o Brasil. Encontre o pediatra ideal para seus filhos e conheça a rede credenciada com especialidades para atender a família toda! Entre em contato conosco!

Источник: https://blog.partmedsaude.com.br/mar-20-infeccao-urinaria-em-crianca-veja-as-causas-e-tratamentos/

¿Qué hacer ante una infección urinaria en niños?

Infecções urinárias nos bebés, saiba o que fazer para evitá-las!

Las infecciones urinarias afectan a personas de todas las edades y de ambos géneros, pero suelen ser muy comunes en los más pequeños. Mientras que, en los niños, este tipo de infección es más frecuente durante el primer año de vida, en las niñas es más común evidenciarlo en menores de 4 años.

Debido a que nuestros especialistas en Pediatría desean promover un diagnóstico y manejo oportuno para así mejorar la calidad de vida de los niños, y evitar sus complicaciones y la necesidad de acudir a un centro asistencial en salud, queremos compartir contigo el siguiente artículo sobre las infecciones urinarias en niños por el Dr. Abel Salinas, Jefe del Departamento de Pediatría.

¿Cómo se producen las infecciones urinarias en niños?

Hasta en un 80%, estas infecciones se producen por la bacteria Escherichia Coli. Se ha visto que, durante el primer mes de vida, su diseminación es vía sanguínea.

Luego de esta edad, las infecciones urinarias son más comunes como una invasión a nivel urogenital.

Gracias a ciertos componentes propios de la bacteria, esta puede migrar hacia estructuras más altas de las vías urinarias, generando inflamación tanto local como diseminada en el organismo.

¿Quiénes tienen más riesgo de padecer una infección urinaria?

  • Las niñas por la cercanía del sistema genitourinario al recto o ano.
  • Mala higiene del área genital (principalmente en niñas).
  • Cambios poco frecuentes de pañal.
  • Presencia de parásitos intestinales.
  • Niños o niñas con malformaciones anatómicas en vías urinarias.
  • Aquellos con enfermedades neurológicas (Mielomeningocele, vejiga neurogénica).
  • Padecer enfermedades que afecten el Sistema Inmune.
  • Eliminación anormal de orina o heces
  • Incontinencia urinaria o fecal, estreñimiento o retenciones voluntarias de las mismas en edad escolar.
  • Casos de reflujo vésico-ureteral (común).
  • Maniobras invasivas (cateterismo prolongado y repetición).
  • Uso irracional de antibióticos que altera la flora de defensa genital.

¿Qué molestias puede presentar tu hijo?

En los primeros dos años de edad, los síntomas pueden ser inespecíficos:

  • Fiebre (pudiendo ser la única manifestación)
  • Irritabilidad
  • Poco apetito y pobre ganancia de peso
  • Ocasionalmente orina con mal olor o síntomas gastrointestinales (vómitos, diarrea)

En niños mayores, los síntomas que se pueden apreciar son:

  • Fiebre y escalofríos
  • Síntomas urinarios
  • Ardor o dolor al orinar
  • Mayor frecuencia de micción, aunque muchas veces solo pasa una cantidad muy pequeña de orina
  • Incapacidad de retener orina (incontinencia)
  • Rastros de sangre al miccionar.
  • Dolor abdominal (área supra púbica) o dolor lumbar.

Si la infección ya ha viajado a los riñones, el caso puede agravarse. Tu hijo puede experimentar síntomas más intensos, como:

  • Irritabilidad
  • Escalofríos con temblores
  • Fiebre alta
  • Piel enrojecida
  • Náuseas y vómitos
  • Dolor lateral o de espalda
  • Dolor abdominal severo
  • Fatiga severa

Los signos iniciales de una infección urinaria en niños pueden pasarse por alto fácilmente, especialmente en los más pequeños, ya que ellos pueden tener dificultades para describir la fuente de sus malestares. Así que préstale atención a tu hijo y busca cualquier cambio en su comportamiento o temperatura.

¿Cómo saber si estoy ante una infección urinaria?

Luego de conocer los signos y síntomas principales, es importante que el pediatra de tu hijo realice algunos exámenes de laboratorio, como las pruebas de orina y uricultivo, para saber la razón exacta de la infección. Si el caso lo amerita, podría pedir también un hemograma, reactantes de fase aguda (PCR) y/o ecografía renal y de las vías urinarias para descartar anomalías internas.

Es importante que tu médico pediatra evalúe a tu bebé y descarte otras patologías, las cuales muchas veces pueden simular una infección urinaria como por ejemplo las apendicitis o fiebres por otra causa.

El diagnóstico y el tratamiento oportunos de una infección urinaria en niños pueden prevenir complicaciones médicas graves a largo plazo. Sin un tratamiento, una infección urinaria puede provocar una infección renal que puede conducir a afecciones más graves

¿Qué tratamiento debe recibir un niño con infección urinaria?

  • Mejorar la hidratación en casa. Mientras que los bebés deben tomar exclusivamente leche materna en los primeros seis meses, los niños más grades deben beber más líquidos.
  • Mejorar el aseo diario del área genital de los niños/as y realizar cambios frecuentes de pañal en los bebes luego de cada micción o deposición.
  • Evitar prendas muy pegadas o sintéticas que provoquen sudor.
  • No olvidar el lavado de manos antes y después de ir al baño y/o asear a tu bebé.

Será tu médico pediatra quien considere el inicio de antibióticos (oral o endovenosa) según amerite la situación actual.

Este tratamiento durará un par de días de acuerdo a cómo se vaya dando la mejoría clínica y laboratorial. Solo en los casos que se deba hospitalizar al niño/a, se hablará previamente con los padres.

Referencias:

  • Piñeriro R, Cilleruelo M, Ares J. Recomendaciones para el diagnóstico y tratamiento de la infección urinaria. An Pediatr (Barc). 2019; 90(6):400.e1-400.e9.
  • INSN San Borja. Guía de práctica clínica de infección del tracto urinario. 2017; 1-30.
  • Shaikh N, Hoberman A. Urinary tract infections in children. Up to date. 2019.

Con más de 50 años de experiencia en el sector salud, en Clínica Internacional, ofrecemos la mejor atención médica del país. Nuestro staff médico altamente capacitado y la tecnología de punta con la que trabajamos nos permiten tratar más de 20 especialidades, asegurando tu bienestar y el de tu familia.

Источник: https://www.clinicainternacional.com.pe/blog/nfeccion-urinaria-en-ninos/

Infecção urinária na gravidez: sintomas, causas, tratamentos e dúvidas

Infecções urinárias nos bebés, saiba o que fazer para evitá-las!

iStock

A gravidez é uma fase maravilhosa na vida de qualquer mulher, mas é normal trazer consigo alguns sintomas indesejáveis, tais como os da infecção urinária, também conhecida como cistite.

Como explica o urologista e professor da FMABC (Faculdade de Medicina do ABC), Marcos Tobias Machado, “a infecção do trato urinário consiste na presença de bactérias na urina com repercussão clínica”. Apesar de desagradável, mas pode ser facilmente tratada, caso diagnosticada com antecedência. Confira abaixo os principais sintomas:

Sintomas

  • Dor para urinar;
  • Aumento da frequência urinária;
  • Em casos mais graves, dor lombar e febre;
  • Possibilidade de septicemia (infecção generalizada).

Ao engravidar, é importante estar sempre atenta às mudanças no corpo e no organismo.

Os sintomas da infecção urinária são característicos e, no caso de se manifestarem, o primeiro passo a ser dado é procurar um especialista.

Veja também 10 receitas de chá para acabar com a infecção urinária

Principais causas

iStock

Segundo o Dr. Marcos, “as mulheres de uma maneira geral são predispostas à infecção urinária devido à posição anatômica da uretra e do ânus, permitindo que as bactérias de origem intestinal, como a Escherichia Coli, penetrem através da uretra”. Nas mulheres grávidas, os riscos são ainda maiores por alguns fatores:

  • Embebição dos tecidos (elevação do teor aquoso dos tecidos);
  • Redução dos fatores protetores locais no trato urinário;
  • Aumento da circulação sanguínea na região pélvica, que resulta no aumento da umidade na vagina;
  • Aumento do volume do útero, que pode fazer com que a urina fique acumulada no canal.

Infecção urinária na gravidez: como tratar

iStock

  • Antibióticos: segundo o médico, os antibióticos não devem ultrapassar a barreira placentária para não causar danos ao bebê, “sendo preferível, em casos não complicados, cefalosporinas de primeira geração, como a cefalexina ambulatorial por via oral durante 7 dias”.
  • Internação: necessária apenas em casos mais graves com o emprego de antibióticos endovenosos. “Os casos associados à obstrução do trato urinário podem necessitar de procedimento cirúrgico para drenar a urina”, completa Marcos.

Tratamentos caseiros

  • Hidratação: tomar bastante água ajuda na hidratação do organismo, contribuindo também com a diluição da urina, de modo a evitar que a mesma cristalize.
  • Suco de cranberry: rico em vitaminas C e E, o cranberry ajuda a tratar e a combater novos episódios de infecção urinária.
  • Ingestão de vitamina C: assim como o cranberry, outras frutas também são ricas em vitamina C (que ajuda a liberar as toxinas do organismo), tais como: laranja, toranja, kiwi, abacaxi, morango, groselha preta, etc.
  • Chá de manjericão: com ação inibitória, o chá de manjericão é ideal para combater as bactérias da infecção urinária.

Começar o tratamento adequado o quanto antes é de extrema importância para curar a infecção urinária e evitar que o quadro se agrave.

Aliados aos antibióticos e às medidas caseiras, algumas ações simples no dia a dia ajudam a combater o problema, como urinar antes e após a relação sexual, realizar a higiene íntima diariamente e consumir alimentos diuréticos (melancia, aspargo, graviola, laranja, entre outros).

Perguntas frequentes

iStock

Mais recorrente entre as mulheres, a infecção urinária ainda gera perguntas, principalmente durante a gravidez. Para esclarecer, o Dr. Marcos responde às principais dúvidas:

1. É permitido ter relações sexuais durante a gravidez e com infecção urinária?

Veja também Cólica na gravidez: causas, sintomas e quando se preocupar

“É recomendável que não. O risco de piorar o quadro é grande com a subida dos germes para os rins. Deve-se, portanto, esperar que a infecção seja curada completamente antes que o casal volte a ter relações sexuais.”

2. A infecção urinária traz riscos para o bebê?

“A presença de infecção urinária não tratada está associada ao nascimento de bebês pequenos para a idade gestacional e ao trabalho de parto prematuro, o que pode trazer sequelas ao recém-nascido.”

3. A infecção urinária pode se tornar mais perigosa durante as últimas semanas de gestação?

Veja também 12 aplicativos incríveis para monitorar a gravidez

”Sim, inclusive pode induzir ao trabalho de parto prematuro.”

4. Quais os riscos para a mãe e para o bebê se a infecção urinária não for tratada adequadamente?

“Quadros mais graves de infecção urinária podem causar à mãe a perda do rim ou mesmo infecção generalizada. Já o bebê, pode nascer abaixo do peso e com todas as consequências de um nascimento prematuro.”

5. O que fazer para prevenir a infecção urinária?

“Faz parte dos exames pré-natais de rotina a realização da urocultura, que detecta se existe alguma bactéria na urina da gestante. Realizar este exame e passar pelas consultas com regularidade são as principais ações preventivas contra a infecção urinária durante a gravidez.”

Como diz o ditado, a prevenção é sempre o melhor remédio. Mas, caso notem os primeiros sintomas da infecção urinária, as mulheres devem buscar o tratamento imediato recomendado pelo médico. Com atenção e cuidados adequados, é possível que as mamães tenham uma gestação saudável e sem riscos para o bebê!

Источник: https://www.dicasdemulher.com.br/infeccao-urinaria-na-gravidez/

Embarazo y niños
Deja una respuesta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: