Nomes do menina de origem Anglo-saxão com 5 letras

Alfabeto em inglês (sons, escrita e pronúncia)

Nomes do menina   de origem Anglo-saxão com 5 letras

Uma das primeiras lições que escolas, colégios, cursos e livros de ensino da língua inglesa passam aos seus alunos que desejam começar a aprender o idioma é o alfabeto em inglês. Em princípio, é uma tarefa fácil, mas que se não levada a sério pode prejudicar o estudante. Conhecer the English Alphabet pode ser a base para dominar a língua inglesa.

Muitos alunos não dão a atenção devida ao aprendizado do alfabeto em inglês e, por conta disso, acabam tendo a pronúncia das palavras prejudicada no futuro. Vale deixar claro que as letras são as mesmas, mas os sons são bem diferentes.

É necessário prestar atenção tanto à leitura por extenso da pronúncia quanto ao som para aprender corretamente como pronunciar as letras do alfabeto e, por conseguinte, as palavras em inglês que serão aprendidas no futuro.

A origem do alfabeto em inglês

Antes de tudo, é necessário explicitar a origem das letras do alfabeto em inglês. Você sabia que antes de sofrer influência de idiomas latinos, o idioma inglês, assim como seu alfabeto, foi derivado do idioma anglo-saxão?

O idioma anglo-saxão e o seu alfabeto foram utilizados por aproximadamente cinco séculos (Séc V – Séc X). Nessa época, o povo anglo-saxão – mistura de povos germânicos (anglos, saxões e dinamarqueses) – habitava parte da Grã-Bretanha.

Contudo, na era atual, não existem muitos exemplos da escrita anglo-saxônica. Atualmente, é possível encontrar apenas fragmentos e frases curtas. Inicialmente, o seu alfabeto possuía 33 letras, assim como o idioma das runas, seu percussor.

Influência do idioma latino

Entretanto, a partir do século VII – vale destacar que o idioma anglo-saxão se manteve em paralelo com o idioma latino por um longo período -, o idioma latino foi disseminado por missionários cristãos na região e ganhou força.

Após esse período, o alfabeto latino, também conhecido como alfabeto romano, passou a comandar a escrita dos povos da Grã-Bretanha e da maioria das línguas da Europa ocidental e oriental.

Assim como ocorreu na Europa, as Américas também sofreram influência do idioma latino e possuem origem similar, tanto que o alfabeto em inglês é similar ao espanhol e português.

Nasce o inglês arcaico

A história sugere que o alfabeto em inglês arcaico tenha nascido no ano de 1001. Nessa época, quando foi ordenado e classificado, o alfabeto em inglês possuía 24 letras, diferentemente de sua atual formatação, com 26.

  • A
  • B
  • C
  • D
  • E
  • F
  • G
  • H
  • I
  • K
  • L
  • M
  • N
  • O
  • P
  • Q
  • R
  • S
  • T
  • V
  • X
  • Y
  • Z
  • &

Acima, encontra-se o primeiro alfabeto em inglês arcaico. Você poderá perceber que as letras J, U e W não existiam. Enquanto isso, o símbolo “&”, que significa “and” em inglês, era considerado uma letra do alfabeto.

Inglês moderno

Após a modernização da língua inglesa, o alfabeto passou a ter 26 letras. O símbolo “&” deixou de existir no alfabeto em inglês e foram incluídas as letras J, U e W.

O “W”, em específico, possui uma história curiosa. Antigamente, ela era representada por duas letras “u”. Não à toa, era chamada de “double u“, ou seja, “u em dobro”. Contudo, após o século XVI, a letra “W” se tornou independente.

Após essa breve história, podemos ir ao que interessa, correto? Então, confira, a seguir, todas as letras do alfabeto em inglês e a sua pronúncia correta por extenso.

Alfabeto em inglês e sua pronúncia

Se você tem dificuldades para pronunciar corretamente as letras do alfabeto em inglês, não se preocupe. Preparamos especialmente para você a representação escrita de cada letra minuciosamente.

Letra A – Pronúncia: Êi
Letra B – Pronúncia: 
Letra C – Pronúncia: 
Letra D – Pronúncia: 
Letra E – Pronúncia: Í
Letra F – Pronúncia: Éf
Letra G – Pronúncia: Djí
Letra H – Pronúncia: Êitch
Letra I – Pronúncia: Ái
Letra J – Pronúncia: Djêi
Letra K – Pronúncia: Kêi
Letra L – Pronúncia: Él
Letra M – Pronúncia: Êm
Letra N – Pronúncia: Ên
Letra O – Pronúncia: Ôu
Letra P – Pronúncia: Píi
Letra Q – Pronúncia: Quíu
Letra R – Pronúncia: Ár
Letra S – Pronúncia: Éss
Letra T – Pronúncia: Tíi
Letra U – Pronúncia: 
Letra V – Pronúncia: Víi
Letra W – Pronúncia: Dâbliu
Letra X – Pronúncia: Écs
Letra Y : Pronúncia: Uái
Letra Z : Pronúncia: Zíi

Contudo, apenas ler as letras do alfabeto por extenso pode não ser suficiente para que você aprenda corretamente a pronunciá-las. Por isso, deixaremos abaixo algumas dicas para que você domine completamente o alfabeto em inglês.

Pronuncie corretamente as letras “t”, “d”, “m” e “n”

Conversando com alguns dos professores de inglês online do Cambly, eles chamaram nossa atenção para a pronúncia do “t” e do “d” . Esssa pronuncia necessita ser seca, como se alguém do interior estivesse falando. Por exemplo, sem o chiado que a palavra “tia” costuma ter, evitando a fonética do “ch”. Repita alto, seguidas vezes, “tia” e não “tchia”.

Além disso, vale lembrar que “m” e “n” tem sons sutilmente diferentes – como se você os pronunciasse em português, mas esquecesse o “e” no final de “eme” e “ene”.

Busque vídeos no

No é possível achar diversos vídeos sobre o tema. Apenas insira na área de busca da plataforma “alfabeto em inglês” e aproveite as ótimas dicas, com o áudio adequado, para melhorar a sua pronúncia.

Selecionamos aqui um video com a popular canção The Alphabet Song, na versão da Seasame Street & India Aire para ajudar a entender como pronuniciar e ainda ajudar a fixar os sons das letras em inglês:

Ouça músicas sobre alfabeto em inglês

Essa opção parece infantil, mas funciona tanto para crianças como para adultos. A repetição do alfabeto em inglês inteiro durante a música, repetidas vezes, fará com que o seu cérebro memorize automaticamente a pronúncia correta das letras em inglês.

Treine com os professores nativos do Cambly

Outra saída interessante para aprender a pronunciar corretamente o alfabeto em inglês é separar alguns minutos de aula com os professores nativos do Cambly, como o Collum G, para treinar.

Ficou curioso e quer fazer alguns minutos gratuitos de aula de inglês online com nossos professores nativos? Utilize o código Blog15minutos!

Confira, também, nosso artigo de inglês básico sobre Números em Inglês!

Источник: https://brasil.cambly.com/alfabeto-em-ingles-sons-escrita-e-pronuncia/

O sobrenome mais comum em cada país do mundo

Nomes do menina   de origem Anglo-saxão com 5 letras

“O que há em um nome?” Quando Julieta fez seu famoso discurso em Romeu e Julieta , ela pode estar pensando no campo da onomástica. Onomastics é o ramo da linguística que lida com o estudo de nomes. As origens e o uso de nossos sobrenomes revelam insights extraordinários sobre a história e a cultura de diferentes sociedades.

Segundo a lenda, os sobrenomes foram usados ​​pela primeira vez na China em 2852 aC para ajudar na coleta de informações do censo. Na Europa Ocidental, o uso de sobrenomes se tornou mais comum na Idade Média. A população do continente cresceu, criando uma necessidade maior de sobrenomes para diferenciar as pessoas.

Em geral, as etimologias dos sobrenomes se enquadram em cinco categorias diferentes: ocupacional, descrição pessoal, toponímico (de um nome de local), patronímico (do nome de um pai ou ancestral) e nomes que significam patrocínio.

1. Os sobrenomes mais comuns na África

Na África , a maioria dos sobrenomes está ligada à origem geográfica, ocupação, linhagem ou características pessoais. Um tipo de sobrenome exclusivo para o continente é o nome do «praise-name» , que expressa traços de caráter ou outros atributos admiráveis.

Ilunga , por exemplo, é de origem Bantu. Ele se traduz aproximadamente como «uma pessoa que está pronta para perdoar qualquer abuso pela primeira vez, para tolerá-lo uma segunda vez, mas nunca uma terceira vez».

É o sobrenome mais comum na República Democrática do Congo.

Muitas pessoas na África mudaram de nome depois de obter independência, mas muitos sobrenomes populares em todo o continente hoje ainda refletem o passado colonial da região.

Cabo Verde e São Tomé e Príncipe foram colônias de Portugal e, juntos, conquistaram a independência em 1975. Hoje, o nome português Fernandes é o sobrenome mais comum em Cabo Verde.

Lopes, também nome português, é o sobrenome mais comum em São Tomé e Príncipe.

Os muçulmanos constituem cerca de 30% da população da África subsaariana, o que provavelmente explica a raíz islâmica de muitos sobrenomes africanos. No Chade, Comores, Djibuti, Egito e Sudão, o sobrenome mais comum é alguma variação ou epíteto de Muhammad, o fundador do Islã, que também se traduz em «louvável».

2. Os sobrenomes mais comuns na Ásia

A distribuição de sobrenomes na Ásia reflete o passado dinástico do continente. Quando uma nova dinastia assumia o poder, era comum que todos os sujeitos adotassem um nome conectado à dinastia. O nome Tan , por exemplo, deriva de 'Chen', um estado importante durante a longa dinastia Zhou na China. Hoje, Tan é o sobrenome mais comum na Malásia e Cingapura.

Da mesma forma, o sobrenome mais comum no Vietnã é Nguyen, que era o nome da última dinastia no Vietnã. Kim é o sobrenome mais comum na Coréia do Norte e Coréia do Sul, bem como no Cazaquistão e no Uzbequistão. Pode ser originário de mais de 600 clãs diferentes que usam o caractere chinês para Kim.

Essa fonte comum de sobrenomes no sudeste da Ásia pode ser uma das razões pelas quais há menos variação entre os sobrenomes do que em outras partes do mundo. Na China, Wang é compartilhado por um número estimado em cada 13 residentes. Na Coréia do Sul, um em cada cinco moradores tem o sobrenome Kim . E no Vietnã, um em cada quatro moradores tem o sobrenome Nguyen.

Em comparação, o sobrenome mais comum nos Estados Unidos, Smith, é compartilhado por um em cada 121 residentes.

3. Os sobrenomes mais comuns na Europa

Comparado com o resto do mundo, é muito mais provável que os europeus tenham um nome conectado ao trabalho de um ancestral. Por exemplo, o sobrenome mais popular no Luxemburgo, Schmit, deriva do alto alemão médio «smit», que significa «ferreiro». Müller é o sobrenome mais comum na Alemanha e na Suíça e é um nome ocupacional para um moleiro.

Os sobrenomes europeus também pintam uma imagem da topografia diversificada do continente, já que muitos descrevem a paisagem onde uma pessoa morava.

Na Áustria, o sobrenome mais comum é Gruber , que vem do alemão alto médio “ gruobe”, que significa “pit”. O nome refere-se a alguém que vive em uma depressão ou oca.

Bērziņš, o sobrenome mais comum na Letônia, deriva dos letões «bērzs», que significa «bétula», e denota alguém que vive entre bétulas.

Os sufixos patronímicos costumam ser uma boa maneira de dizer de que parte da Europa alguém é. O «-ov» eslavo, como em Ivanov (filho de Ivan), é comum na Bielorrússia e na Bulgária. O sufixo “-sen”, como em Hansen na Noruega e Jensen na Dinamarca, ainda é comumente encontrada entre os descendentes de famílias escandinavos que imigraram para os Estados Unidos no século XIX.

4. Os sobrenomes mais comuns na América do Norte

Os sobrenomes da América Central e do Caribe refletem a história colonial da região. O Haiti foi uma colônia francesa de 1697 a 1804, e o sobrenome mais comum é Jean , a forma francesa de John.

El Salvador, Honduras e México são locais de ex-colônias espanholas. Eles compartilham o mesmo sobrenome mais comum, Hernandez. Este nome é de origem espanhola, mas pode ser atribuído ao português «frið», que significa «paz», e «nano», que significa «ousadia.

Os Estados Unidos são representativos da mistura de sobrenomes encontrados em todo o continente norte-americano. Brown, o sobrenome mais comum na Jamaica, é o quarto sobrenome mais popular nos EUA.

Rodriguez, o sobrenome mais comum em Cuba, República Dominicana, Panamá e Bahamas, também é muito comum nos EUA.

A lista dos 25 sobrenomes mais populares nos Estados Unidos inclui o sobrenome mais comum em dois terços do norte Países americanos.

5. Os sobrenomes mais comuns na América do Sul

A maior parte da América do Sul ganhou a independência da Espanha, no início do século 19, mas muitos dos mais sobrenomes populares em todo o continente hoje são de origem espanhola. Gonzalez é o sobrenome mais comum na Argentina, Chile, Paraguai e Venezuela. É um patronímico do nome pessoal espanhol Gonzalo, que originalmente vem do alemão «gun“ «, que significa» batalha «.

Silva é o sobrenome mais comum no Brasil,com sua origem de Portugal. A variação “da Silva” ocupa a 22ª colocação, com pouco mais de 1 milhão no Brasil.

Mas a origem de ambos é a mesma: como um sobrenome toponímico (de origem geográfica), deriva do termo latino silva, que significa “selva” ou “floresta”. Com a presença dos romanos na Península Ibérica, muitos lusitanos incorporaram Silva ao nome próprio.

Séculos depois, grande parte carregava o termo quando chegou ao Brasil, engrossando os números com a abolição da escravatura.

No Peru, o sobrenome mais comum tem raízes indígenas. Estima-se que um em cada 55 peruanos compartilhe o sobrenome Aymaran Quispe, que deriva do Aymaran “qhispi”, que significa “vidro” ou “pedra preciosa”.

Na Guiana, o sobrenome mais comum é Persaud, uma forma alterada do Prasad indiano. Este nome deriva do sânscrito «prasāda», que significa «favor», «graça» ou «oferenda». Imigrantes indianos e descendentes de colonos indianos representam cerca de 40% da população da Guiana.

6. Os sobrenomes mais comuns na Oceania

A mistura de sobrenomes populares na Oceania reflete a diversidade étnica da região. O sobrenome mais comum na Austrália e na Nova Zelândia é Smith, um nome ocupacional anglo-saxão para um metalúrgico. Nas Ilhas Marshall e Papua Nova Guiné, o sobrenome mais popular é o inglês John, que significa “Jeová favoreceu (eu como um filho)”.

Nos Estados Federados da Micronésia e das Ilhas Salomão, os sobrenomes mais comuns são de origem japonesa. Cerca de um em 38 residentes na Micronésia compartilha o nome Mori.

Mori se origina de um caractere japonês que significa «floresta», em referência ao bosque sagrado ao redor de um santuário de Shintō.

Nas Ilhas Salomão, o sobrenome mais comum é Mae, um nome japonês que significa «frente» ou «antes».

O sobrenome mais comum em Fiji é Kumar, um nome indiano que deriva do sânscrito «kumāra». Significa «criança», «filho» ou «príncipe». Indo-Fijianos constituem aproximadamente 38% da população do país.

O estudo de sobrenomes de país para país serve como um guia exclusivo para a história da civilização humana. Os historiadores podem formar insights críticos sobre os padrões de cultura e assentamento, os genealogistas podem traçar raízes ancestrais e as pessoas comuns podem desenvolver seu senso de identidade histórica mundial.

Hoje, os seres humanos estão espalhados por 90% da Terra, e a sociedade humana é mais diversificada culturalmente do que em qualquer outro ponto da história. Os sobrenomes mais comuns em todos os países nos lembram nossas origens compartilhadas e uma época em que o mundo não era tão grande.

Metodologia

Para determinar o sobrenome mais comum em todos os países, o NetCredit analisou dados de sobrenome no portal de genealogia Forebears.io, em vários censos de países e outras fontes. Informações etimológicas vieram do Dicionário Oxford de Nomes de Família Americanos, do Dicionário Oxford de Nomes de Família na Grã-Bretanha e na Irlanda e em várias outras fontes.

VER MAPA COMPLETO

Acredita que a gente tem instrutor de mais de 15 países? Sim…cada um com um nome mais diferente do outro. Vem conhecer nosso time! :)

Fontes:

Most Common Name Country – https://www.netcredit.com/blog/most-common-name-country/

Shakespeare, W. (1914). Oxford Shakespeare: as obras completas de William Shakespeare. Reino Unido : Oxford University Press

Equipe de ascendência. (2014). O que seu sobrenome pode lhe dizer . ancestry.com

Zhu, H. (2010). Uma comparação cultural de nomes de família ingleses e chineses . ccsenet.org

Madubuike, I. (1976). Descolonização de nomes africanos . Presença Africaine

Conway, O. (2004). Palavra do Congo «mais intraduzível» . news.bbc.co.uk

Madubuike, I. (1976). Descolonização de nomes africanos . jstor.org

Ancestrais. (2014). Apelidos mais comuns em Portugal . forebears.io

Asher, C. (2016). Quanta terra na Terra é habitada? curiousmeerkat.co.uk

Foley, R. e Lahr, M. (2011). A evolução da diversidade de culturas . Transações Filosóficas B

Источник: https://www.thefools.com.br/blog/post/o-sobrenome-mais-comum-em-cada-pais-do-mundo

Embarazo y niños
Deja una respuesta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: