Praia, quando posso levar o meu filho pela primeira vez?

Aproveite a primeira ida do bebê à praia com segurança

Praia, quando posso levar o meu filho pela primeira vez?

Se você está planejando levar seu bebê à praia pela primeira vez neste verão, várias dúvidas sobre a viabilidade e a segurança do passeio para seu filho devem estar povoando sua cabeça no momento. Para ajudá-lo, o UOL Gravidez e Filhos conversou com pediatras para responder às questões mais comuns.

A partir de que idade meu bebê pode ir à praia?

Não existe um consenso entre os especialistas.

Para Flávia Jacqueline de Almeida, professora de pediatria da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, que também é pediatra do Hospital Santa Isabel, da Santa Casa, o bebê pode ir à praia a partir dos seis meses de vida. A partir dos dois meses, ela diz achar possível dar uma voltinha no carrinho no final do dia, sem longa exposição ao sol.

Sandra de Oliveira, pediatra da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), afirma que, a partir do primeiro mês, pode-se levar o bebê para um passeio breve, obedecendo o horário recomendado (leia abaixo).

A partir do sexto, ele pode ficar na praia com os pais, no colo ou no carrinho, por até uma hora, evitando contato prolongado com a areia e a água do mar.

«Pode deixar sentar na areia ou molhar o pé por alguns minutos para tirar uma foto, mas, além disso, não faz sentido, já que para o bebê não vai ser proveitoso.» Segundo a especialista, as crianças só passam a se divertir na praia quando começam a andar.

Para Leda Amar de Aquino, membro do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), o recomendável é levar o bebê somente após os nove meses, quando ele aproveitará mais o passeio. “Nessa idade, ele poderá brincar na areia e entrar no mar com os adultos.

Com certeza, colocará a mão na boca e a gente já não precisa ter tanto medo em relação a isso tudo.”

Camila Reibscheid, pediatra do Hospital São Luiz, na capital paulista, vai um pouco além, recomendando que se espere até o décimo mês para levar o bebê à praia. Portanto, quanto maior a criança for, mais seguro é o programa.

Qualquer praia é boa?

Os pais devem escolher uma praia que não esteja com areia poluída nem com a água imprópria para o banho. Um litoral poluído pode fazer com que a criança tenha gastroenterite ou doenças de pele, como bicho geográfico, entre outros problemas. Confira as condições das praias do litoral brasileiro.

Protetor solar próprio para bebês ou crianças, camisetas leves e claras, bonés ou chapéus, fraldas próprias para a água, toalhas e brinquedos. Para crianças com mais de um ano, leve também um repelente.

Qual é o melhor horário para passear sob o sol?

Os horários adequados são antes das 10h e depois das 16h –para todo mundo, independentemente da idade. A pediatra Leda Aquino recomenda preferencialmente o intervalo das 8h às 9h, porque em outros horários, mesmo que o bebê esteja protegido, o calor pode fazer mal a ele.

Camila Reibscheid afirma ainda que os bebês menores não devem ficar mais de 15 minutos expostos ao sol. Para uma criança de um ano, a exposição não deve passar de uma hora.

E, em todos os casos, é preciso que esteja devidamente protegido, com boné ou chapéu, camiseta clara e fresca e, caso tenha mais de seis meses, protetor solar.

Para Sandra, da Unifesp, a criança que tem de seis meses a um ano pode passear por até uma hora. Já quem tiver de um a dois anos, pode permanecer na praia até, no máximo, três horas. Segundo a pediatra, não existe uma temperatura limite a ser observada, mas, a partir dos 27°C, a criança deve beber água com mais frequência.

Posso usar qualquer protetor solar?

Não. Segundo a pediatra Flávia Almeida, a recomendação é aplicar protetor somente em bebês com mais de seis meses. “Antes disso, a pele é muito sensível, por isso não se deve utilizar.”A partir do sexto mês, o protetor deve ser dos tipos próprios para bebês e crianças, que não provocam ardência nos olhos.

O protetor para bebês é um filtro físico, que forma uma barreira na pele, e deve ser trocado com frequência. Já os outros protetores formam uma barreira química, por isso devem ser aplicados em crianças maiores. O fator de proteção mínima deve ser 30, que, para Flávia, em geral é suficiente.

“Acima do 30 não há grande benefício de proteção e aumenta muito a quantidade de produto químico.”

Além disso, ela afirma que é importante passar o protetor nos pés, nas mãos, nas orelhas e em outras partes do corpo que costumam ficar esquecidas e são grandes vítimas de queimaduras de sol.

 O protetor deve ser aplicado 30 minutos antes da exposição solar e reaplicado a cada duas horas ou depois de o bebê entrar na água.

E repelente, posso passar?

Apesar de picadas de mosquitos serem muito comuns na praia, os repelentes, em geral, possuem muitos produtos químicos que podem irritar a pele do bebê. De acordo com a pediatra Camila Reibscheid, eles só são indicados para os maiores de um ano.

Sandra de Oliveira, da Unifesp, afirma que existem no mercado repelentes mais leves que podem ser aplicados em bebês a partir dos seis meses, mas o pediatra deve ser consultado sobre seu uso.

«Vale lembrar que, com o suor, o repelente pode escorrer para os olhos ou a criança pode colocar a mão na boca, por isso são mais indicados protetores físicos contra insetos, como telas, mosquiteiros.

Em casa, pode-se usar os inseticidas de tomada», diz.

Como deve ser a alimentação do bebê na praia?

Líquidos são fundamentais, o tempo todo. A criança, que não mama exclusivamente no peito, pode beber, além de água, sucos e água de coco, mas é importante levar de casa em garrafas térmicas para ter certeza da procedência.

Camila Reibscheid diz que os líquidos devem ser consumidos a cada 30 minutos, evitando refrigerantes e picolés em excesso. Se a criança tiver vômito ou diarreia, precisa do máximo possível de hidratação, inclusive com soro caseiro.

Para as crianças que já comem alimentos sólidos, Aquino recomenda que não sejam oferecidos comidas vendidas na praia. “Principalmente sanduíches feitos à base de maionese”, diz.

Flávia Almeida afirma também que se deve procurar manter a rotina da criança, com seus horários de alimentação.

Nada de imitar os adultos, que, muitas vezes, nem se importam em almoçar e ficam beliscando petiscos o dia inteiro.

Por fim, os especialistas aconselham que os pais fiquem atentos aos filhos. A praia é um ambiente amplo e repleto de perigos para as crianças, que podem se perder ou se afogar, se forem para a água sem supervisão.

Cães soltos, animais como caranguejos e objetos pontiagudos escondidos na areia também podem provocar acidentes.

Além disso, deve-se ter sempre água doce por perto e, com ela, lavar constantemente as mãos e os objetos das crianças para retirar areia e outras sujeiras.

Источник: https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2013/01/18/levar-o-bebe-para-a-praia-exige-cuidados-com-sol-e-hidratacao.htm

7 conselhos para levar seu bebê à praia pela primeira vez

Praia, quando posso levar o meu filho pela primeira vez?

Quando você leva o seu bebê à praia, é normal que queira compartilhar com ele sua primeira experiência relaxante de estar na beira do mar, desfrutando do sol e da areia.

Se o seu filho ainda é muito pequeno, é difícil decidir se é uma boa ideia levá-lo para conhecer a praia.Principalmente porque nessa idade sua pele é extremamente delicada.

Sempre será muito mais seguro levá-lo quando já dominar o engatinhar porque, além de poder soltá-lo na areia, sua pele não será tão vulnerável aos raios do sol.

Vejamos os seguintes conselhos e precauções para levar seu bebê à praia pela primeira vez:

Seu bebê sempre deve estar protegido do sol

Certifique-se de que seu bebê esteja sempre protegido do sol e coberto por um grande guarda-sol. Além disso, é recomendável que você o vista com roupas leves feitas de tecidos naturais, como o algodão.

Para os bebês, os filtros físicos como chapéus, camisetas, guarda-sóis e lenços são os mais eficazes para proteger sua pele delicada dos raios ultravioleta.

Procure manter seu bebê bem hidratado

Sempre que você levar seu bebê à praia, ele deve estar bem hidratado. Para conseguir isso, leve consigo muita água mineral para que ele tenha hidratação a qualquer momento. Assim, vocês poderão aproveitar a experiência sem qualquer preocupação.

Para garantir água fresca e comida, leve sempre uma bolsa térmica. Assim, você também poderá levar algumas frutas e outros alimentos saudáveis.

A vida te dá momentos especiais, especialmente aqueles que envolvem a praia.~ Larry Wilcox ~

O ideal para proteger a pele do seu bebê na beira do mar é escolher um creme com protetor solar especial para bebês, que tenha um fator de proteção superior a 30 e que seja resistente à água.

Certifique-se de aplicar o creme no corpo todo meia hora antes da exposição ao sol e de renová-lo com frequência. Ou seja, depois de cada contato com a água ou a cada 2 horas.

É importante saber que, em bebês menores de seis meses, os filtros solares não são recomendáveis. Isso porque podem causar irritações e alergias.

Evite os raios de sol em determinados horários

Certifique-se de que seu bebê não se exponha ao sol durante as horas centrais do dia. Isso porque os raios de sol durante este período do dia são muito prejudiciais.

As melhores horas para se expor ao sol são as primeiras horas da manhã e as últimas horas da tarde.

Também é importante que você preste atenção na temperatura corporal do bebê. Seu mecanismo termorregulador ainda não funciona de forma adequada. Dessa forma, o bebê pode sofrer um ataque de calor sem que você perceba.

Use talco para cuidar da pele

Os talcos para bebê são a melhor maneira de remover rapidamente qualquer areia restante do seu corpo sem a necessidade de esfregar ou danificar a pele dele.

Lembre-se de que a pele do seu pequeno é muito sensível. Dessa forma, algo tão simples quanto remover a areia da pele pode causar irritações.

O momento do primeiro banho de mar

Antes de colocá-lo no mar pela primeira vez, sente-o na borda da praia para que perca o medo e vá criando confiança à medida que seus pés se molham nas ondas.

Segure-o firmemente em seus braços e vá aproximando-o da água pouco a pouco, mas apenas na borda.

Cuidado com as ondas porque de um momento para o outro elas podem se tornar mais fortes e incômodas.

Faça com que o bebê aproveite seus primeiros minutos no mar brincando com ele e levando-o no ritmo das ondas.

Para um primeiro banho, basta que entre em contato com a água e se refresque. Mais tarde, você pode estender os banhos por cerca de 10 minutos, estando sempre atenta à temperatura do corpo do seu pequeno.

Pense primeiro no prazer do seu filho

Certifique-se de que a água não esteja muito fria. Se em algum momento seu bebê começa a chorar, o melhor é não insistir e tentar novamente um pouco mais tarde ou outro dia.

Lembre-se de que deve ser uma experiência relaxante e divertida. Então, tente evitar que se assuste e tenha más experiências.

A praia oferece um mundo de brincadeiras e benefícios para o crescimento do seu bebê.

É apenas uma questão de tomar as precauções necessárias e segui-las passo a passo para que a primeira viagem com seu bebê para a praia seja uma experiência impossível de esquecer.

Pode interessar a você…

Источник: https://soumamae.com.br/conselhos-levar-seu-bebe-a-praia/

Viagem de praia com bebê – O que é preciso saber e levar

Praia, quando posso levar o meu filho pela primeira vez?

Desde que nosso filho nasceu as fotos dele na praia no Instagram @deixadefrescura têm sido as campeãs de comentários e principalmente dúvidas. Afinal, dá para curtir praia com bebê? Ele não é pequeno demais para isso?Que roupa colocar nele? Passa protetor solar? Precisa barraca?

Assim sendo, resolvi contar aqui como foi nossa experiência de viajar com bebê para três destinos de praia: Arraial do Cabo (RJ), Paraty (RJ) e Maresias (SP). Tudo isso antes dos 3 meses de idade dele!

Leia também:

Praia com bebê de 2 meses

A primeira vez que levamos nosso filho à praia ele tinha um pouco mais de 2 meses de idade. Nosso destino: Arraial do Cabo, considerada por muitos o “Caribe Brasileiro”. Nossa viagem aconteceu durante o outono carioca (o que significa que as temperaturas ainda estavam bem altas) e, por isso pesquisamos e decidimos tomar alguns cuidados:

Formas de proteção ao sol

A maioria dos pediatras, incluindo o do nosso filho, só autoriza o uso de protetor solar após os 6 meses da criança (antes disso a pele dos pequenos ainda é muito sensível e o risco de alergias é grande). Com isso em mente procuramos outras formas de proteção ao sol.

1 – Roupas com proteção solar (UV50)

Praia do Pontal – Apesar das árvores, essa praia quase não tem área com sombra. É bom ficar de olho no horário para ir visitá-la.

A primeira providência foi comprar roupas com proteção solar para bebês.

A maior dificuldade foi encontrar o tamanho adequado, pois como é comum que bebês não sejam levados à praia antes dos 6 meses, não há muitas marcas que fabriquem tamanhos menores que essa idade.

A Carters (revendida pela Riachuelo) e a Puket possuem tamanhos menores.

Se sente insegura em viajar ou em fazer passeios ao ar livre com o seu bebê? Precisa de dicas, ou apenas precisa conversar com outras mães que estão passando pela mesma situação?

Nós criamos uma rede no Telegram onde o objetivo é exatamente esse! Mães passando pela mesma situação, dando dicas e ajudando umas as outras. 

Para entrar no grupo, basta mandar um direct pelo nosso instagram informando o seu nome e número de celular.

É importante que a camisa tenha gola mais alta e mangas longas e que seja usada junto com uma calça. Os conjuntos com sunga são lindos, mas nessa idade é importante que o bebê tenha a pele toda protegida. Para completar, um chapéu ou boné sempre é bem vindo.

2 – Barraca ou abrigo

Praia da Almada em Ubatuba, SP! Apesar de não aparecer nessa foto, essa praia tem estrutura com restaurantes, chuveiro de água doce e muita sombra. Dá para passar o dia inteiro lá.

Nós nunca fomos de levar barraca à praia porque consideramos pouco prático andar com aquele guarda-sol e cadeira em determinados lugares.

Mas, com nosso filho chegamos a conclusão de que não seria má ideia já garantir uma sombra para o pequeno.

Optamos por comprar um abrigo de vento com proteção solar. Nosso modelo é o “Quechua 2 seconds XL”. Essa linha “2 seconds” é muito leve e fácil de montar. Os preços variam entre R$130 a R$200.  O ideal para bebês é que seja sempre um abrigo ou barraca (ou seja, algo fechado) para que os pequenos também fiquem protegidos do vento, além do sol, claro.

Mas se não der para comprar algo assim, procure por praias com um pouco de estrutura para fugir do sol nos horários mais quentes. Essa da foto é a Praia da Almada, em Ubatuba. Possui restaurantes cobertos e muita sombra de árvores.

3 – Optar por ir à praia de tarde

O terceiro cuidado que tomamos foi preferir ir à praia na parte da tarde, ou seja, após às 15h. Dessa forma o clima já não estava tão abafado e podíamos alternar entre ficar dentro da barraca e levar ele para perto da água ou para tocar a areia.

O que levar praia com bebê

Não se enganem! Ir à praia com bebê dá trabalho. Fora a todo cuidado que é preciso ter com o sol e a pele dos pequenos, ainda tem todo o “trabalho normal” de um bebê como troca de fraldas e etc.

No caso do Bernardo, ele só mama no peito então não precisamos nos preocupar em levar nada de alimentação para ele. Levamos apenas um trocador portátil com lenços umedecidos, algumas fraldas (normais mesmo, as de piscina só para bebês mais velhos). Lembre-se de levar sacos plásticos para colocar as fraldas sujas e o lixo em geral!

Também levei uma garrafinha com água doce “lavar o peito” e tirar a água salgada antes de amamentar.

Recebi uma dica muito boa de uma seguidora do Instagram que virou uma super amiga: para evitar estressar a criança trocando a roupa dela antes de ir para a praia, já coloque uma roupa de algodão bem confortável no dia anterior (se for à praia de manhã) e na próxima troca de fralda você pode colocar a roupa com proteção solar.

E a regra de ouro para toda e qualquer saída com bebê é a mesma se o destino for praia: sempre leve uma roupa extra e pelo menos 2 fraldas de boca.

Nas prainhas do Pontal em Arraial eu vi algumas pessoas com aquelas cadeirinhas tipo bebê conforto na praia, mas confesso que eu já estava achando que estávamos carregando coisas demais e optei por levar apenas canga e toalha, que eu dobrava “bem fofo” e fazia uma cama para o nosso filho.

Na foto não parece, mas juro que estava confortável!

E para carregar o bebê até a praia o ideal mesmo é usar um sling ou canguru. Como nessa fase os bebês ainda estão bem “molinhos” carregar no colo direto exige usar as duas mãos.

Para vocês terem uma ideia, com um sling wrap ou um canguru dá tranquilamente para descer todas as escadas das Prainhas do Pontal em Arraial do Cabo e para fazer a trilha até a Praia do Cachadaço em Trindade.

Nosso filho Bernardo não se adaptou muito bem ao sling e agora só usamos o canguru com ele. O modelo que usamos é o Ergobaby 360.

Praia com bebê de 6 meses (atualização)

Bernardo já cresceu desde que eu publiquei esse post e depois de completar 6 meses já pudemos curtir a praia com muito mais liberdade.

O que muda com um bebê de 6 meses?

Olha a gente aqui em Fernando de Noronha com nosso pequeno!

A primeira mudança que ajuda as mamães é que agora a pele do bebê já é considerada madura o suficiente para usar protetor solar! Opte por uma marca específica para bebês (e não “kids”) para evitar alergias. Nós usamos o Mustela fator 50+.

Bebês nessa idade já se sentam e até engatinham (Bernardo, por sinal, aprendeu a engatinhar durante nossa viagem por Fernando de Noronha) e, por isso, usar canga ou toalhas já não é suficiente, pois ele se mexem muito trazendo areia para todo o lado.

Nessa idade eles também já podem entrar na água então a dica é levar um tapete impermeável dobrável para crianças. Esses tapetes são fáceis de limpar e são dobráveis para facilitar na hora de carregar de um lado para outro.

Por último, leve brinquedos que não vão se estragar se cair na areia ou na água. Nessa idade eles já precisam de alguma distração e levar um ou dois brinquedos pequenos já vão fazê-los se entreter bastante.

Afinal, vale a pena uma viagem de praia com bebê?

É claro que quanto maior a criança, mais ela iria aproveitar em uma viagem de praia. Nós viajamos já sabendo que não levaríamos o Bernardo para “nadar” na praia devido à temperatura da água (se as águas de Arraial já são geladas para a gente, imagina para um bebê!).

Mas achamos que é importante para o desenvolvimento dele estar em outros ambientes que não só a nossa casa. É bom para ele observar que há um mundão ainda a ser descoberto, novos sons, novos cheiros, novas sensações.

Por tudo isso nós achamos que vale a pena sim! Claro que o trabalho e a preocupação são bem maiores do que nós tínhamos antes, mas faz parte.

Uma viagem como essas também é ótima para tirar nós pais do “modo paternidade ativado” e lembrar que nós ainda somos as mesmas pessoas, com os mesmos gostos e necessidades; só que agora com um novo companheiro de viagens.

E aos 6 meses? Foi ainda melhor!

Levar um bebê de 6 meses à praia é ainda mais prazeroso. No caso do Bernardo, ele já tinha tido contato com a areia e com o ambiente da praia antes e acredito que isso ajudou para que ele não estranhasse em nada o novo ambiente.

Seu primeiro mergulho foi na Praia do Sancho, em Noronha e foi encantador como ele ria a cada onda que vinha e como simplesmente parava de chorar cada vez que o levávamos ao mar. Com certeza, mesmo com todo o trabalho,  valeu ainda mais a pena!

Bernardo, com 6 meses já tomando banho na Praia do Sancho em Noronha. Pernocas de fora porque agora o protetor solar já está liberado!

Organize sua viagem antes mesmo de sair do Brasil! Compre seus ingressos de forma antecipada e evite filas durante a sua viagem!

Источник: https://deixadefrescura.com/viagem-praia-com-bebe/

Embarazo y niños
Deja una respuesta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: